Campo Grande/MS, Terça-Feira, 23 de Julho de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Quinta-Feira, 20 de Junho de 2019, 11h:57
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Telemedicina deve se expandir no país com regulamentação

Por Pérola Cattini

Da coluna Bem-Estar
Artigo de responsabilidade do autor

Novo campo permite consultas, diagnósticos e orientações médicas à distância

Divulgação

ColunaBem-Estar

Existe um novo campo da medicina permeado por novas tecnologias: a telemedicina. Quem se forma em uma faculdade de medicina normalmente está acostumado com métodos tradicionais de consulta e tratamento, mas essa nova modalidade pode mudar a vida de muitos pacientes no Brasil e ao redor do mundo. Consiste em realizar consultas, diagnósticos e orientações médicas via videoconferência e aplicativos de mensagem.

A prática já é adotada por outros  países como a França, no apoio a pessoas idosas e pessoas com deficiência. É uma forma de chegar até pacientes que não possuem condição de se deslocar. O suporte à distância, no entanto, só acontece com indivíduos com doenças crônicas ou para tratamentos mais pontuais. Para a resolução de problemas mais agudos de saúde, a telemedicina não é recomendada e até mesmo recebe críticas de parte da comunidade médica.

No Brasil, os médicos já utilizavam plataformas virtuais para orientar os pacientes, diagnosticar problemas pontuais e recomendar o uso de alguma pomada para alergia, por exemplo. Mas, em fevereiro de 2019, este campo ganhou uma regulamentação no país. A Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) nº 2.227/18) foi elaborada após inúmeros debates com especialistas e baseada em rígidos parâmetros éticos, técnicos e legais, de acordo com a entidade.

Segundo o CFM, a norma abre portas à integralidade do Sistema Único de Saúde (SUS) para milhões de brasileiros, atualmente vítimas da negligência assistencial. Para o presidente do CFM, Carlos Vital, trata-se de um novo marco para o exercício da medicina no Brasil. “As possibilidades que se abrem no Brasil com essa mudança normativa são substanciais e precisam ser utilizadas pelos médicos, pacientes e gestores com obediência plena às recomendações do CFM. Acreditamos, por exemplo, que na esfera da saúde pública essa inovação será revolucionária ao permitir a construção de linhas de cuidado remoto, por meio de plataformas digitais”, destacou Vital.

Alguns dos serviços de telemedicina mais utilizados são as teleinterconsultas, teletriagens e teleorientações. No caso da teleinterconsulta, o médico divide o atendimento com outro profissional, em busca de uma segunda opinião. No caso da teleorientação e da teletriagem, os pacientes podem entrar em contato com médicos quando surgir algum problema, para saber qual caminho seguir no sistema de saúde.

Críticas e preocupações
Apesar de todo avanço tecnológico e as facilidades proporcionadas pela modalidade, alguns especialistas fazem ressalvas à telemedicina e expressam preocupações. A ampliação do modelo tem sido criticada por conselhos regionais de medicina, o que levou o CFM a abrir uma consulta pública para envio de sugestões. Dois dos pontos mais criticados foram as consultas não presenciais e a proteção dos dados dos pacientes.


De acordo com o texto inicial, populações geograficamente remotas podem receber atendimentos on-line sem a necessidade de um primeiro contato. Com as condições precárias de saúde em alguns municípios e a carência de médico nessas regiões, o temor é de que esse seja o primeiro recurso utilizado na falta de um médico, diminuindo ainda mais a distância entre os profissionais de saúde e os pacientes.

“São discussões relevantes e saudáveis até para o modelo convencional de consulta. Hoje grande parte das reclamações de pacientes é de médicos que sequer levantam os olhos para enxergá-los durante a consulta presencial”, disse Caio Soares, diretor médico da Teladoc, uma das maiores empresas do mundo em telemedicina, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix