Campo Grande/MS, Sábado, 20 de Julho de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sexta-Feira, 08 de Março de 2019, 10h:36
Tamanho do texto A - A+

Após ameaça de cancelamento do Carnaval, blocos culpam Prefeitura por não cumprir acordo

Eles convocaram uma reunião de emergência na noite de ontem, onde fizeram uma avaliação do evento

Caroline Carvalho
Capital News

Divulgação/Capivara Blasé

Após ameaça de cancelamento do Carnaval, blocos culpam Prefeitura por não cumprir acordo

Blocos reuniram mais de 170 mil pessoas nos quatro dias de Carnaval

Após a Prefeitura de Campo Grande ameaçar cancelar a festa conhecida como Enterro dos Ossos, marcada para o próximo sábado (9), alegando prejuízos com depredações e brigas generalizadas no Carnaval na Esplanada Ferroviária, os blocos independentes alegam que Executivo Municipal não cumpriu acordo e forneceu estrutura insuficiente para a realização dos eventos. 

 

Os blocos independentes da Capital, dentre eles o Cordão Valu e o Capivara Blasé, fizeram uma reunião de emergência na noite de ontem (7), após o prefeito Marquinhos Trad os convocar para um encontro na manhã de hoje, para avaliar o que pode ser feito. O chefe do Executivo diz que tem recebido vários vídeos pelo WhatsApp que mostram confusões registradas no Carnaval, por isso a intenção de cancelar a festa.  

 

Em nota divulgada no fim da reunião, os organizadores dos blocos alegaram que fizeram uma verdadeira saga em busca de cumprir todos os requisitos burocráticos exigidos pelo Poder Público, mas não receberam uma contrapartida do mesmo. Eles também ressaltam que o Carnaval injeta milhões de reais na economia, e que se considerar a quantidade de pessoas reunidas no evento, não houve incidentes  graves. 

 

Confira a nota na íntegra: 

Avaliamos que o público dos blocos Capivara Blasé e Cordão Valu é composto por famílias inteiras - com crianças que há anos são trazidas por seus familiares e que hoje, adolescentes, cresceram tendo a possibilidade de vivenciar o maior evento cultural do Brasil: os blocos independentes de rua.

 

Os blocos, que não recebem verba pública, portanto, que se auto-custeiam por meio de eventos que antecedem o Carnaval, realizaram uma verdadeira saga em busca de cumprir todos os requisitos burocráticos exigidos pelo Poder Público para a realização desta festa popular na capital sul-mato-grossense.

 

Nós, da organização dos blocos, realizamos ações em defesa do Patrimônio Histórico, que foram televisionadas, em conjunto com o Iphan, para ficar em um exemplo, apenas.

 

Com mais de 170 mil pessoas reunidas nos 4 dias do Carnaval realizado na Esplanada Ferroviária neste ano - com públicos que chegaram a 40 mil pessoas no Cordão Valu e a 35 mil pessoas no Capivara Blasé - observamos que a quantidade de ocorrências médicas foi de uma para cada seis mil pessoas, segundo dados da Cruz Vermelha Brasileira, Filial de MS, demonstrando que não houve incidentes mais graves, quando consideramos o universo de pessoas envolvidas neste tipo de evento popular.

 

Conforme dados da Fecomércio, divulgados antes do Carnaval, somente em 2018 foram injetados na economia da cidade R$ 48 milhões, demonstrando a potencialidade desse evento que se transformou em um dos maiores carnavais do MS, uma enorme atração turística, seguindo o movimento de grandes cidades como São Paulo e Belo Horizonte, onde também não se havia grande tradição de Carnaval dos Blocos Populares. Aliás, em São Paulo, o comércio e o setor de serviços já pensam em organizar um polo de negócios em torno desse fenômeno. É importante citar que a previsão de crescimento do Carnaval de Blocos de Rua era de 5% para o ano de 2019, ainda segundo dados da Fecomércio.

 

Dessa forma, gostaríamos de frisar, que a estrutura que nos foi garantida pelo poder público (banheiros químicos, lixeiras, etc) foi insuficiente para a quantidade de pessoas presentes, e que isto é reflexo do cancelamento do Carnaval da Avenida Interlagos, na Capital, e em diversos municípios do interior, fato que fez transbordar o número de foliões e folionas na Esplanada Ferroviária.

 

Pretendemos continuar buscando o diálogo, colocando no papel as diversas ações necessárias para a redução de danos observados neste ano, desenvolvendo um planejamento com maior tempo de antecedência, onde todos os setores interessados da sociedade e os agentes públicos participem, aproveitando todas as potencialidades culturais, turísticas e econômicas do Carnaval dos blocos independentes de rua. 

 

Citamos assim, a necessidade de realização de Audiências Públicas para a elaboração de um marco regulatório, com amplo diálogo social, para a realização do Carnaval de Rua de Campo Grande, a fim de que os foliões e folionas possam desfrutar, ainda mais, de um Carnaval verdadeiramente popular, em Liberdade e com Segurança.

 

Para tanto, desde já, pedimos que os órgãos competentes garantam o cumprimento dos termos acordados previamente para a realização do Enterro dos Ossos, programado para este sábado, 9 de março. Lembramos, ainda, que as administrações públicas devem compreender bem a natureza da festa e o seu papel regulador, prestador de serviços e garantidor da segurança, da paz e da harmonia”.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix