Campo Grande/MS, Domingo, 17 de Junho de 2018 | 17:57
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Segunda-Feira, 12 de Março de 2018, 16h:27
Tamanho do texto A - A+

Correios classifica protesto de trabalhadores como “injustificado” e “ilegal”

“Movimento está relacionado, essencialmente, às discussões sobre o custeio do plano de saúde da empresa”, diz nota enviada à imprensa

Flávio Brito
Capital News

Deurico/Arquivo Capital News

Foto ilustrativa de Greve nos Correios

..

“Mesmo reconhecendo que a greve é um direito do trabalhador, a empresa entende o movimento atual como injustificado e ilegal, pois não houve descumprimento de qualquer cláusula do acordo coletivo de trabalho da categoria”, afirmam os Correios, em nota sobre sobre a paralisação de empregados que está ocorrendo nesta segunda-feira (12). De acordo com a empresa, em Mato Grosso do Sul, 88,2% do efetivo estão presentes e trabalhando – o que corresponde a 1.256 empregados.

 

“Com o objetivo de ganhar a opinião pública, as representações dos trabalhadores divulgaram uma extensa pauta de reivindicações que nada têm a ver com o verdadeiro motivo da paralisação de hoje: a mudança na forma de custeio do plano de saúde da categoria”, acrescenta a nota.

 

Ainda conforme o texto divulgado à imprensa, o movimento está relacionado, essencialmente, às discussões sobre o custeio do plano de saúde da empresa, que atualmente contempla, além dos empregados, dependentes e cônjuges, também pais e mães dos titulares. 

 

O assunto, garantem os Correios, foi discutido exaustivamente com as representações dos trabalhadores desde outubro de 2016, tanto no âmbito administrativo quanto em mediação pelo Tribunal Superior do Trabalho, que apresentou proposta aceita pelos Correios mas recusada pelas representações dos trabalhadores. Após diversas tentativas de acordo sem sucesso, a empresa se viu obrigada a ingressar com pedido de julgamento no TST.

 

Para se ter uma ideia, hoje os custos do plano de saúde dos trabalhadores representam 10% do faturamento dos Correios, ou seja, uma despesa da ordem de R$ 1,8 bilhão ao ano. “No momento, a empresa aguarda uma decisão por parte daquele tribunal. A audiência está marcada para a tarde de hoje”, traz o comunicado.

 

Conforme os Correios, neste fim de semana (10 e 11 de março), os Correios já colocaram em prática seu Plano de Continuidade de Negócios, de forma preventiva, para minimizar os impactos à população. Até o momento, a paralisação está concentrada na área de distribuição — levantamento parcial realizado na manhã de hoje mostra que 87,15% do efetivo total dos Correios no Brasil está presente e trabalhando — o que corresponde a 92.212 empregados, número apurado por meio de sistema eletrônico de presença.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix