Campo Grande/MS, Terça-Feira, 22 de Agosto de 2017 | 14:33
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Quinta-Feira, 02 de Março de 2017, 16h:53
Tamanho do texto A - A+

Diagnóstico de mormo poderá ser feito em Mato Grosso do Sul

Deputado conquista “licença” para diagnóstico da zoonose de cavalos no estado

Natália Moraes
Capital News

Divulgação/Assessoria

Projeto de Lei obriga as operadoras a informar cobertura de sinal no Estado

Deputado solicitou urgentemente autorização para laboratórios do estado

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou a “licença” para diagnóstico de mormo dos laboratórios credenciados em Mato Grosso do Sul, após solicitação enviada em caráter de urgência pelo deputado Marcio Fernandes (PMDB).


Agora, o diagnóstico de mormo deve ficar mais acessível e rápido, já que antes era feito em São Paulo. Desde 2015, quando foi relatado o primeiro caso da zoonose no estado, os laboratórios que já eram credenciados no Mapa entraram com o processo para a realização dos exames. Receberam a “licença” dois deles.


O deputado Marcio Fernandes, que é presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Políticas Rural, Agrária e Pesqueira e médico veterinário, disse que em janeiro deste ano se reuniu com os criadores para tratar do assunto.


“Era inaceitável um estado movido economicamente pela agropecuária, não ter um laboratório que realizasse exames para diagnóstico do mormo. Fico feliz em ter contribuído para este avanço, afinal além de ser uma preocupação pela praticidade dos criadores, é também pelo fato do mormo ser uma zoonose, ou seja, atinge seres humanos”, disse.


Conforme a Iagro, desde o primeiro caso de mormo em 2015, já foram 42 notificações, 11 focos e três casos judicializados.


Mormo
O Mormo é causado pela bactéria Burkholderia Mallei, atinge os eqüídeos (cavalos, burros e mulas) e pode ser transmitida ao homem. Manifesta-se por um corrimento viscoso nas narinas e a presença de nódulos subcutâneos, nas mucosas nasais, nos pulmões, gânglios linfáticos, pneumonia e etc. A mortalidade dessa doença é muito alta.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix