Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 19 de Dezembro de 2018 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sexta-Feira, 07 de Dezembro de 2018, 15h:00
Tamanho do texto A - A+

Enterro da menina Gabrielly é marcado pela dor e indignação dos amigos e familiares

“A escola não demonstrou qualquer tipo de solidariedade ou procurou a família”, afirma Pai da menina Gabrielly.

Flavia Andrade
Capital News

JD1Notícias

Enterro da menina Gabrielly é marcado pela dor e indignação dos amigos e familiares

“A escola não demonstrou qualquer tipo de solidariedade ou procurou a família”, afirma Pai da menina Gabrielly.

Nesta sexta-feira (07), o dia foi marcado pelo enterro da pequena Gabrielly Ximenes Souza, 10 anos, que morreu após ser espancada por outras três meninas, sendo uma de 9 anos e outras duas de 14. A história é quase inacreditável, ao se ouvir que crianças estão matando crianças, por desavenças tão pequenas, em lugares onde se deveriam prevalecer o respeito, o companheirismo, a igualdade, independente de quaisquer diferenças, a educação e a conscientização deveria ser mais abordada, do que a indiferença. 

 

Carlos Roberto Costa de Souza, 40 anos, relatou ao site Jd1 Notícias, que ninguém da escola manifestou qualquer tipo de solidariedade ou procurou a família. “É como se uma desconhecida tivesse morrido”, diz Souza. 

 

A irmã da pequena Gabrielly ouviu o diretor da escola, Olívio Mangoli, dizer que “não tinha nada a ver com a morte”, ao passar pelo enterro e sair rapidamente após ver a chegada da imprensa. 

 

Ainda segundo relatos do jornal Jd1 Notícias, a Secretaria de Educação “acompanha os fatos” à distância, em nota reforçando que apesar de o fato ter iniciado em uma unidade educacional, foge o do alcance da mesma, uma vez que são realizados diversos trabalhos de conscientização. 

 

A falta de generosidade, solidariedade ou qualquer ato dos órgãos públicos a família, em respeito a memória da pequena Gabrielly, torna o crime mais brutal e incompreensível, tornando ainda maior a sensação de impunidade. O fato de as ameaças terem começado na escola, poderiam ter obtido um desfecho totalmente diferente, se não fosse o descaso das autoridades, talvez essa seja a primeira demonstração de quão despreparados estão os profissionais ou a própria secretaria de educação ao especializar e capacitar os seus funcionários para serem mais humanos ao se tratar de educação e conscientização. 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix