Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 22 de Abril de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Quarta-Feira, 13 de Fevereiro de 2019, 17h:12
Tamanho do texto A - A+

Falta de assistência auditiva em cidade de MS vira Ação Civil Pública

Ministério Público ingressou ação pedido de obrigação de fazer cumulada com tutela provisória cautelar de urgência em caráter incidental em face

Renato Giansante
De Dourados para o Capital News

Divulgação/MPMS

Falta de assistência auditiva em cidade de MS vira Ação Civil Pública

Dourados tem prazo para solucionar o problema da especialidade médica

A falta de assistência auditiva em Dourados fez o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) ingressar com Ação Civil Pública com Pedido de Obrigação de Fazer Cumulada com Tutela Provisória Cautelar de Urgência em Caráter Incidental em face devido à falta de serviço de média complexidade para tratamento ambulatorial em assistência auditiva.

 

Segundo o documento do MP, o Termo de Declarações de membro do Componente Municipal de Auditoria do SUS revelou a falta de fornecimento de próteses auditivas e de atendimentos aos deficientes auditivos em Dourados, por ausência de contrato vigente da Prefeitura com algum prestador, bem como da existência de diversas irregularidades na prestação dos serviços de audiologia pela empresa até então contratada.

 

A Ouvidoria do MPMS também recebeu delação anônima em que a parte reclamante, acometida de perda auditiva moderada, aduz ter entrado em contato com a Secretaria Municipal de Saúde, e foi informada de que a prestadora anterior estava fechada, em razão da falta de contrato, e não possuía prazo para reabertura. Em função disso, após mais de ano, ainda não teria recebido o devido aparelho auditivo.

 

Em março de 2018 o MP já havia requisitado informações atualizadas sobre o andamento da Licitação dos serviços médicos na área de audiologia e eventual lista de pacientes que aguardavam atendimento em tal especialidade, e a lista de pacientes encaminhados para Tratamento Fora do Domicílio (TFD), em audiologia.

 

Ainda segundo o MP, a resposta dada pela Secretaria Municipal de Saúde foi que “o edital do procedimento de licitação para contratação de serviços de audiologia para a rede pública municipal de saúde foi devidamente formalizado pelos técnicos da pasta, passando por análise do Componente Municipal de Auditoria do SUS e, atualmente, a Secretaria estaria realizando atividades internas para encaminhamento da documentação para análise da Procuradoria Especializada em Contratos e Licitações. Contudo, o Município não possuiria pactuação para TFD para esta especialidade”.

 

O MP ainda cita um paciente de 61 anos, diagnosticado em 2011 com carcinoma varcilar e, desde então, foi submetido a sete procedimentos cirúrgicos. Ele foi encaminhado para fazer uso de aparelho audiológico, sendo os exames custeados na via particular e os orçamentos apontavam valor impossível de ser arcado pelo paciente. Contudo, recebeu a informação que os aparelhos não estavam sendo disponibilizados pelo Município de Dourados, sendo necessário buscar o MPMS para solução do problema.

 

Dourados tem o prazo de 30 dias úteis, mediante confecção e assinatura de instrumento contratual hábil, para a reativação dos serviços médicos de média complexidade em reabilitação auditiva.

 

Além disso, o MP pede que o serviço habilitado apresente equipes médicas completas, e condições satisfatórias de trabalho, como insumos, recursos humanos e estrutura material e operacional adequadas; enquanto não concretizado o pedido anterior, que promovam, alternativamente, uma das seguintes opções: atendimento dos usuários SUS de média complexidade em reabilitação auditiva na rede particular, às suas  próprias custas, e encaminhamento,  às suas próprias custas, dos usuários SUS de média complexidade em reabilitação auditiva, para tratamento na capital do Estado, devendo a decisão judicial suprimir qualquer eventual ausência de pactuação.

 

O município ainda tem 10 dias úteis para apresentar um plano detalhado para solucionar a demanda represada da especialidade, trazendo o resultado de todo o trabalho de busca ativa e reavaliação de pacientes já constante do sistema SISREG, e os pedidos constantes na Atenção Básica para os quais não foi dado devido encaminhamento em razão da ausência de prestador, inclusive apresentando os empenhos orçamentários necessários para fazer frente a tal despesa.

 

A multa diária para o não cumprimento é de R$10 mil para cada paciente não atendido de forma integral e tempestiva, sem prejuízo das demais medidas cíveis e penais cabíveis na espécie.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix