Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 19 de Dezembro de 2018 |
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Sexta-Feira, 30 de Novembro de 2018, 17h:33
Tamanho do texto A - A+

Governo Federal quer implantar projeto piloto de geração de emprego e renda para detentos do MS

Medida foi proposta pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul

Leonardo Barbosa
Capital News

Governo do Estado/Divulgação

Governo Federal quer implantar projeto piloto de geração de emprego e renda para detentos do MS

A proposta apresentada se destaca principalmente pela importância de criar estratégias de trabalho com baixo custo

Representantes dos Ministérios do Trabalho e Emprego (MTE), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) estiveram esta semana em Campo Grande para conhecer a estrutura de unidades penais e discutir junto à Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) um projeto piloto para viabilização de empreendimentos de economia solidária e o desenvolvimento de um laboratório de artesanato no âmbito prisional em Mato Grosso do Sul.

 

A intenção é proporcionar mecanismos para implementar uma proposta encaminhada pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), que visa a criação e manutenção de núcleos artesanais em presídios. “Nossa vinda aqui resulta desse projeto e atende ao que está disposto no Decreto 9.450, de julho deste ano; bem como no protocolo de intenções firmado entre o MTE e o MDIC, os quais possuem escopo para ampliar e qualificar a oferta de trabalho para apenados, egressos e cumpridores de medidas alternativas”, explicou a coordenadora de Trabalho e Renda da Diretoria de Políticas Penitenciárias do Depen, Gabriely Dalvi Viana da Rocha, durante a visita.

 

Pela proposta apresentada serão desenvolvidos programas de capacitação sobre técnicas artesanais e de reciclagem, a fim de estruturar três núcleos de artesanatos dentro de estabelecimentos prisionais do Estado, com previsão inicial de 60 capacitados.

 

A intenção é que, a partir destas qualificações, sejam criados núcleos produtivos em penitenciárias para a confecção de bolsas e sacolas de saco de cebola, ecobags de lonas e peças artesanais em osso. “São materiais com matéria-prima abundante e com um mercado comercial certo”, afirmou a gerente de Desenvolvimento de Atividades Artesanais da FCMS, Katyenka Klain.

 

 

A visita técnica ao Estado também contou com a participação da coordenadora-geral do Departamento de Empreendedorismo e Artesanato do MDIC, Anna Beatriz Loureiro Ellery, e envolveu, ainda, reunião com representantes do Sebrae, com o objetivo de formalizar novas parcerias voltadas ao oferecimento de trabalho prisional, e com o secretário de Estado de Cultura e Cidadania, Athayde Nery.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix