Campo Grande/MS, Sábado, 18 de Agosto de 2018 | 14:26
27˚
(67) 3042-4141
Cotidiano
Segunda-Feira, 12 de Março de 2018, 19h:15
Tamanho do texto A - A+

Projeto recolhe 24 toneladas de resíduos em uma semana

Em 11,7% dos imóveis inspecionados nos bairros Cidade Morena e Vila Nova foram encontrados focos do mosquito

Esthéfanie Vila Maior
Capital News

PMCG

Projeto recolhe 24 toneladas de resíduos em uma semana

Região recebeu dois Ecos Pontos para descarte dos resíduos

Mais de 24 toneladas de resíduos de grande volume foram recolhidas nos bairros Cidade Morena e Vila Nova. Os entulhos são possíveis criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. O projeto Cidade Limpa foi realizado doas dias 5 a 9 de março.

 

A região das Moreninhas recebeu dois Ecos Pontos, que funcionaram de segunda a sexta-feira para atender os moradores. O local foi escolhido devido ao Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), que revelou que a região tem a maior incidência do mosquito. Em 11,7% dos imóveis inspecionados foram encontrados focos positivos.

 

Os moradores levaram sofás, geladeiras, carcaças de computadores, fogões, carrinhos de mão, pias de cozinha, banheiras de plástico, móveis, armários de aço e máquinas/tanquinhos de lavar roupas. O maior volume de resíduos foi o de televisores, que foram enviados para uma empresa parceira para reciclagem. Não foram aceitos entulhos de construção ou podas de árvores.

 

O coordenador de Resíduos da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), Marcos Carvalhal, destacou a importância do Projeto nos bairros. “Percebemos que a população colaborou e levou até os Ecos Pontos os materiais de grande volume que não são recolhidos pela coleta normal. A existência destes resíduos nas residências são possíveis depósitos e criadouros do mosquito da dengue, bem como a instalação, manutenção e proliferação de animais que são indesejáveis ao convívio humano”, disse o ele.

 

Já para o coordenador da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), Eliasze Guimarães, “a expectativa é que o Índice de Infestação do Aedes nestes bairros tenha uma redução considerável”.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix