Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 21 de Maio de 2018 | 11:05
27˚
(67) 3042-4141
Economia
Terça-Feira, 15 de Maio de 2018, 15h:50
Tamanho do texto A - A+

Preço do pão francês vai subir para R$ 13,75 o quilo

Alta do dólar e seca forçam indústria da panificação a reajustar valor em Mato Grosso do Sul

Esthéfanie Vila Maior
Capital News

Fiems

Preço do pão francês vai subir para R$ 13,75 o quilo

Pão francês terá reajuste de 10% em MS

O preço do pão francês vai aumentar em Mato Grosso do Sul. O reajuste será de até 10%, saindo dos R$ 12,50 cobrados pelo quilo em média, para R$ 13,75. É o que aponta o levantamento do Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria de Mato Grosso do Sul (Sindepan/MS). 

 

A seca na Argentina, principal fornecedora de trigo para o Brasil, afetará o valor pago na commodity. Entretanto, o aumento deve ser repassado somente em julho, devido ao bom estoque de farinha nos moinhos que abastecem as empresas do Estado.

 

O presidente do Sidepan/MS, Marcelo Novaes, explica que a produção argentina não é suficiente para atender a demanda brasileira, impactando o mercado interno. Essa é a pior seca que o país sul-americano enfrenta nos últimos 40 anos.

 

A alta do dólar é mais um fator que interfere nos custos de produção. “A elevada cotação da moeda americana, com valorização acumulada de 10,97%, também aumenta o preço do pão francês”, esclarece.

 

Outros insumos como óleo, açúcar, fermento e embalagens também ficaram mais caros e as indústrias da panificação, especialmente aquelas que trabalham com a parte de confeitaria, terão de repassar esse reajuste aos consumidores finais.

 

O aumento nos preços preocupa o setor e deve afetar a competitividade das panificadoras em MS. “O Sindicato já está buscando soluções para garantir rentabilidade ao segmento”, afirma.

 

“Com a crise, já estamos trabalhando com uma quantia elevada e muitas empresas tiveram de fechar as portas, principalmente porque os preços estão em descompasso com a situação econômica que estamos vivendo. Isso faz com que os clientes procurem valores mais baixos”, declarou Marcelo Novaes.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!
Trinix