Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 23 de Outubro de 2017 | 01:02
27˚
(67) 3042-4141
Educação
Quinta-Feira, 08 de Junho de 2017, 11h:54
Tamanho do texto A - A+

MEC decide retirar das escolas livro que trata de incesto

A decisão ocorre após parecer técnico da Secretaria de Educação Básica e do Conjur

Maisse Cunha
Capital News

Ministério da Educação

Ministério da Educação aponta 264 mil novos contratos do Fies e 296 mil esperando renovação de contrato

 

O Ministério da Educação (MEC) decidiu recolher das escolas o livro “Enquanto o sono não vem”, distribuídos pelo Programa de Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), para alunos das séries iniciais do ensino fundamental das escolas públicas.


A decisão do ministro Mendonça Filho (DEM) de retirar os 93 mil exemplares da obra, foi tomada com base em parecer técnico elaborado pela Secretaria de Educação Básica (SEB), que considerou o livro inadequado para crianças de sete a oito anos do ensino fundamental, pela abordagem do tema incesto.


O conto "A triste história de Eredegalda" trata do desejo de um rei em casar com a mais bonita de suas três filhas. Diante da negativa, a menina é castigada e termina morrendo de sede. A partir dos questionamentos feitos por professores e pais de alunos em todo o país acerca desse conteúdo, o ministro Mendonça Filho solicitou pareceres técnicos da SEB e do Conjur.


Selecionado no processo PNLD/PNAIC em 2014, o livro havia sido avaliado e aprovado pelo Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, instituição referência nas áreas de alfabetização e literatura no país.


Após a análise, a SEB recomendou a retirada dos livros, alegando que o texto deve não somente ser adequado às competências linguísticas e textuais do estudante, mas também à sua experiência de vida e aos sentidos que o livro irá produzir no leitor.


“as crianças no ciclo de alfabetização, por serem leitores em formação e com vivências limitadas, ainda não adquiriram autonomia, maturidade e senso crítico para problematizar determinados temas com alta densidade, como é o caso da história em questão”, afirma o parecer.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix