Campo Grande/MS, Quinta-Feira, 19 de Janeiro de 2017 | 17:58
27˚
(67) 3042-4141
ENTREVISTA
Sábado, 24 de Setembro de 2016, 13h:15
Tamanho do texto A - A+

Saúde e educação serão prioridade na gestão municipal, afirma Marquinhos em entrevista

Capital News inicia série de entrevistas com candidatos à prefeiura

Samira Ayub e Juliana Brum
Capital News

Deurico/Arquivo Capital News

Marquinhos Trad

Marquinhos Trad

 

O jornal Capital News dá início, a partir deste sábado (24), a uma série de entrevistas com candidatos à prefeitura de Campo Grande. As entrevistas são compostas pelo perfil de cada candidato e suas ideias em relação aos principais temas ligados à administração municipal.

 

Marcos Marcello Trad, mais conhecido como Marquinhos Trad (PSD), nasceu em 28 de agosto de 1964, em Campo Grande. Filho do deputado federal Nelson Trad e da professora Therezinha Mandetta Trad, Marquinhos é formado em Direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

Advogado, Marquinhos atuou como Conselheiro Estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS), e também atuou como presidente da Comissão de Ética e Disciplina. Em 2004, Marquinhos Trad foi candidato a vereador e eleito com 11.045 votos, sendo considerado o mais votado naquelas eleições. Dois anos depois, candidatou-se ao cargo de deputado estadual, e reeleito ao cargo em 2010.

 

Em 2014, se manteve no cargo com 47.015 de votos. Marquinhos Trad é casado e pai de quatro filhas.

 

Capital News - Porque você quer ser prefeito de Campo Grande?


Marquinhos Trad - Eu me preparei 21 anos para este momento. Me preparei tecnicamente, emocionalmente e, com muita tranquilidade, digo: conheço os problemas das pessoas, da mãe que espera por uma vaga na creche, do funcionário público que trabalha pressionado pela falta de condições, da professora, do pai de família.

Ainda pré-candidato, criamos o projeto Conversa com Nossa Gente, onde fizemos mais de 700 reuniões, andando por toda a cidade. Eu entrei nas casas das pessoas, levantei os problemas e anotei as sugestões. Vou ser prefeito e mostrar nossa diferença, falando a verdade e encarando os problemas de verdade. Eu estou pronto para ser o melhor prefeito que Campo Grande já teve!

CN - Qual é a visão que você tem da Capital hoje e o que faria diferente para coloca-la em ordem?


MT - Acho que a cidade parou nestes últimos quatro anos. É preciso recuperar a estabilidade da gestão, sem brigas e mantendo o diálogo com os poderes e com a sociedade. Lamento que essas brigas e a má gestão tenham prejudicado a população.


O sucesso de uma gestão depende da participação. É preciso transparência e participação mesmo. Vou cortar gastos desnecessários e acabar com o desperdício, recuperando a cidade com novos projetos, parceria com os governos estadual e federal, sem comprometer as contas públicas. Não vou gastar mais do que se arrecada e trabalharei com criatividade e boa vontade.

CN - Eleito qual é as suas 3 prioridade da sua gestão?


MT - Primeiro, vou arrumar a casa, avaliando a capacidade financeira e o rombo deixado. Após isso, recuperar a cidade, com novos projetos. Vamos focar na Saúde, porque as pessoas doentes e com dor não podem esperar, seja no banco duro de um posto ou em filas por anos e anos, à espera de uma caravana.

Vamos reorganizar a saúde. Transformar o postinho na Clínica da Família. Lá a população vai encontrar atendimento especializado, o que vai ajudar a desafogar os hospitais. Temos como meta a motivação dos funcionários públicos, elaborando um plano de cargo e carreira e investindo na atenção básica. É preciso cuidar das pessoas antes que fiquem doentes ou agravem o seu estado de saúde.

A educação também será prioridade. A merenda tem que ser de qualidade. Crianças não podem ser alimentadas apenas com chá e bolacha. O material escolar tem que chegar no começo do ano e o uniforme precisa ser de qualidade. Professores também devem estar motivados, capacitados e com salário justo. Também vamos priorizar o término das obras paradas, garantindo mais vagas nas escolas e ampliação do atendimento na saúde.

CN - Como seria sua relação com a Câmara de vereadores?


MT - A relação com todos os Poderes precisa ser harmônica e independente. Os vereadores representam regiões da cidade ou segmentos que precisam ser ouvidos e respeitados. Ele é o primeiro a ser cobrado no seu bairro ou por quem representa. Tanto o prefeito, quanto o vereador, são contratados pela população como servidores públicos e têm o mesmo objetivo: trabalhar para o bem comum. Se todos representam a população, não há motivos para briga ou desentendimentos.

CN - Qual a sua opinião sobre cargos e salários de comissionados?


MT - O bom gestor é aquele que escolhe os melhores e mais competentes quadros técnicos, sendo vigilante na execução das tarefas. Não teremos loteamento da prefeitura para apadrinhados. Vamos contar com os técnicos bons, que são os efetivos, e com uma equipe técnica muito capacitada.

Vamos fazer uma gestão justa, onde funcione o portal da transparência , com o que arrecada e onde gasta. Construir a cidade que queremos, sem donos e sem grupos políticos que brigam pelo poder. O comissionado também é servidor público e tem que trabalhar, assim como o concursado, recebendo o salário justo para a função.

CN - O que o Senhor(a) acha da queda da Dilma ? E o que o senhor(a) espera do Governo Temer?


MT - É lamentável que o País passe por esta crise política e econômica. Somos eleitos para representar a população e governar para o bem de todos e não o comum. O Congresso Nacional optou por cassar o mandato da presidente. Agora, cabe ao vice, escolhido por ela, garantir o cumprimento das promessas feitas durante a campanha. O País não pode mais viver em uma guerra, onde o principal prejudicado é a população.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix