Campo Grande/MS, Domingo, 19 de Novembro de 2017 | 05:27
27˚
(67) 3042-4141
ENTREVISTA
Quarta-Feira, 08 de Março de 2017, 18h:57
Tamanho do texto A - A+

Subsecretaria de Políticas para a Mulher fala sobre ações e desafios para as campo-grandenses

Ainda neste 8 de março, Subsecretaria de Políticas para a Mulher lançou plano de ações integradas intitulado “Mulher Atitude”

Natália Moraes
Capital News

Liniker Ribeiro/Capital News

Subsecretaria de política para a mulher fala sobre ações e desafios para as campo-grandenses

A subsecretária Carla Stephanini é advogada e pós-graduada em Gênero e Políticas Públicas

No Dia Internacional da Mulher, o Capital News conversou com a subsecretaria municipal de política para a mulher, Carla Stephanini sobre a atuação da Subsecretaria de Políticas para a Mulher (Semu) e as principais dificuldades das mulheres campo-grandenses. Carla é advogada, pós-graduada em Gênero e Políticas Públicas e foi vereadora de Campo Grande. Ainda neste 8 de março, a prefeitura lançou o plano de ações integradas “Mulher Atitude”, para combater a violência doméstica, dar independência econômica, dentre outras atividades para o público feminino. Confira a entrevista:

Quais são as políticas públicas que existem hoje para a mulher campo-grandense?
Existe uma política pública para a mulher, em que nós trabalhamos em várias áreas. Trabalhamos na área do enfrentamento à violência contra a mulher, na área da qualificação e da autonomia econômica das mulheres, na área dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, por uma educação inclusiva e não sexista, enfim. Esta política pública para a mulher acaba fazendo a transversalidade com outras políticas também, como da saúde, da assistência, da educação, e que nós hoje nesta manhã, junto com o prefeito Marquinhos Trad lançamos o plano de ações integradas “Mulher Atitude”. Porque tudo na vida precisa de atitude e nós precisamos da atitude das mulheres, precisamos da atitude do poder público. E este plano reflete o compromisso com as mulheres campo-grandenses para que nós possamos promover a transversalidade da política pública para a mulher com as demais políticas públicas.

Liniker Ribeiro/Capital News

Subsecretaria de política para a mulher fala sobre ações e desafios para as campo-grandenses

Subsecretária assina termo de cooperação integrada com entidades para ações para mulheres

O que existe de concreto neste plano?
De concreto hoje nós já iniciamos com os termos de cooperação assinadas com a OAB, UAB [União das Advogadas Brasileiras], ABMCJ [Associação Brasileira das Mulheres de Carreira Jurídica], que nós vamos trabalhar nas escolas com os alunos de 8º e 9º ano a questão da pornografia da vingança. Com os usuários e usuárias do sistema de saúde vamos trabalhar a questão dos direitos das mulheres, a violência contra a mulher, e de igual forma, nos Centros de Referência de Assistência Social, tanto no Creas quanto no Cras também vamos trabalhar no sentido de conscientização das mulheres, dos seus direitos e de maneira geral, os usuários que ali se valem desse serviço. Também assinamos um termo com o Senar [Serviço Nacional de Aprendizagem Rural] e a Fetagri [Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de MS] para que a gente possa trabalhar com um grupo de mulheres no sentido de capacitar para o trabalho, questão produtiva, oficinas manuais. E também assinamos um termo de cooperação com o Consórcio Guaicurus para implantação da lei que coíbe o abuso sexual no transporte coletivo. Além disso, um termo de cooperação também com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Esses termos já são as primeiras ações resultantes deste plano de ação integrada porque todos eles têm a interveniência de uma secretaria que faz interface com a política.

O plano é integrado, mas a Subsecretaria tem hoje um foco específico?
A Subsecretaria é responsável por fomentar e articular a política pública com a mulher. Hoje nós estamos na Casa da Mulher Brasileira. A gestão da Casa também fica sob responsabilidade da subsecretaria. Claro que o enfrentamento à violência contra a mulher como uma das primeiras políticas públicas institucionalizadas em defesa dos direitos das mulheres acaba tendo um esforço e uma visibilidade muito grande e esse trabalho é fundamental no sentido da gente poder promover uma cultura de paz, de respeito às mulheres, a não banalização da violência. Agora, nós também temos outras vertentes, que é a questão da autonomia econômica das mulheres, especialmente nesse novo mundo do trabalho que nós temos vislumbrado, a questão da educação também. A gente vê que as mulheres têm cada vez mais um grau de escolaridade elevado, muitas das vezes superior até os índices apontados aos dos homens, mas ainda no campo do trabalho, elas não ganham igual salário para as mesmas funções desenvolvidas. Então nós temos várias áreas que a gente deve e podemos atuar também de forma integrada.

A violência ainda é o principal problema para as mulheres? Qual a principal necessidade das mulheres em Campo Grande hoje?
A violência é um problema ainda na vida das mulheres. Mas, além de romper esse ciclo da violência e buscar a punição dos agressores e dar uma possibilidade de nova vida a essa mulheres, como nós temos dado, nós também precisamos trabalhar outro foco, que é o empoderamento da mulher. A mulher precisa ocupar os diversos espaços de poder, e ainda hoje esses espaços têm uma sub-representação das mulheres, quer no espaço das carreiras públicas, quer no espaço das carreiras privadas. Esse é um grande desafio que se impõe às mulheres, especialmente na questão da sub-representação política. Por isso que além da Lei de Cotas, nós precisamos hoje lutar pela reserva de cadeiras nos diversos parlamentos, quer municipal, estadual e federal para que a gente possa corrigir aquilo que chamamos de déficit da nossa Democracia com a sub-representação política das mulheres através dos cargos eletivos.

Liniker Ribeiro/Capital News

Subsecretaria de política para a mulher fala sobre ações e desafios para as campo-grandenses

Subsecretária Carla Stephanini e prefeito Marquinhos Trad lançam plano de ações "Mulher Atitude"

Falando nessa questão de representatividade, antes era uma secretaria e hoje é uma subsecretaria de mulheres. Como que funciona essa mudança na prática?
Na prática, nós não perdemos porque continuamos desenvolvendo a política pública. Nós temos todo o apoio da administração municipal na pessoa do prefeito Marquinhos Trad, e do secretário de governo, Lacerda, a quem está vinculada a subsecretaria. O importante é que os trabalhos aconteçam, e tem acontecido.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix