CapitalNews

Quarta-Feira, 10 de Outubro de 2018, 10h:11

Operação da PMA deve combater a pesca predatória e o tráfico de papagaios

Ações fazem parte da Operação Pré-Piracema que fiscaliza e reprime crimes ambientais em rios do estado

Leonardo Barbosa
Capital News

PMA/Divulgação

Operação da PMA deve combater a pesca predatória e o tráfico de papagaios

Policiais militares ambientais irão atuar por terra e também nos rios do estado

A Polícia Militar Ambiental (PMA) deflagra, a partir desta quarta-feira (10), ao meio dia, a Operação Padroeira do Brasil, dentro da operação pré-piracema, que no ano passado foi realizada de forma unificada por todas as unidades da Polícia Militar do Estado, com o nome de Pacificador 67. Serão utilizados 362 homens na fiscalização.

 

No dia 1º de outubro, a Polícia Militar Ambiental iniciou a operação pré-piracema de reforço à fiscalização nos rios do estado, no intuito de prevenir e reprimir a pesca predatória, tendo em vista a proximidade do período de piracema e, portanto, quando vários cardumes já se encontram formados. Por esta razão, a quantidade de turistas e pescadores se intensifica, exatamente, em razão das facilidades de captura do pescado neste período. A Operação Pré-piracema se estenderá até o dia 5 de novembro.

 

Com os feriados prolongados nesta semana, do dia 11, dia da divisão do Estado e da Padroeira (12), a fiscalização, que já está sendo efetuada com bastante intensidade, inclusive, com vários pescadores presos nos últimos dias, será aumentada nos rios, com uso de todo efetivo administrativo.

 

PMA/Divulgação

Operação da PMA deve combater a pesca predatória e o tráfico de papagaios

Pescadores serão fiscalizados na tentativa de inibir a pesca predatória

Os comandantes das 25 subunidades empregarão todo o efetivo no trabalho de fiscalização em suas respectivas áreas de atuação. Todo efetivo administrativo, que já foi reduzido para a operação pré-piracema, será utilizado na operação.

 

Três equipes da sede (Campo Grande) estarão itinerantes, fiscalizando todos os tipos de crimes e infrações ambientais, em contato com as equipes de rios, para a movimentação de presos e materiais para as delegacias, caso aconteçam prisões em flagrante.

 

A Operação Padroeira do Brasil termina na próxima segunda-feira (15), às 7h30.

 

PREVENÇÃO E REPRESSÃO AO TRÁFICO DE PAPAGAIOS

Durante esta operação, continua a atenção especial também ao crime de tráfico de animais silvestres, em virtude deste período crítico relativo ao tráfico de papagaios. Este é um período preocupante para a PMA com relação ao tráfico de animais silvestres, pois, de agosto a dezembro é o período de reprodução do papagaio que é a espécie mais traficada no Estado.

 

Outros crimes ambientais serão combatidos e prevenidos, tais como: desmatamento e carvoarias irregulares, com visitas às propriedades rurais, transporte ilegal de produtos perigosos, além de combate a todos os crimes contra a fauna e flora.

 

OUTROS CRIMES

Em todas as operações, a PMA tem prevenido e reprimido crimes de outra natureza adversa à ambiental, dentro de sua função constitucional de Polícia Militar. Nesta operação não será diferente. Crimes como o tráfico de drogas, de armas, contrabando, descaminho, furto e roubo de veículos, porte e posse ilegal de arma, entre outros serão combatidos.

 

BALANÇO DA OPERAÇÃO PASSADA (2017)

Na operação passada foram autuadas 46 pessoas por infrações ambientais. As infrações por pesca foram 44, sendo presos 17 pescadores. Os autuados por infração administrativa, por pescar ou transportar pescado sem licença foram 27. A quantidade de pescado apreendida foi de 300 kg e as multas aplicadas por pesca ilegal foram de R$ 37.700,00. Também foram apreendidas 200 iscas vivas da espécie tuvira.

 

Com relação aos outros crimes e infrações ambientais foram somente duas autuações, sendo uma por caça de jacaré e uma por maus-tratos a animal. As multas aplicadas foram de R$ 38.290,00.

 

 

Por crime de outra natureza adversa à ambiental só houve uma prisão em flagrante por porte ilegal de arma.


Fonte: CapitalNews

Visite o website: wwww.capitalnews.com.br