Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 27 de Março de 2017 | 02:36
27˚
(67) 3042-4141
Internacional
Quinta-Feira, 12 de Janeiro de 2017, 14h:57
Tamanho do texto A - A+

Barack Obama discursa pela última vez como Presidente da República dos Estados Unidos

Presidente dos EUA fez em Chicago seu último discurso oficial, dez dias antes de transmitir o cargo a Donald Trump.

Flavia Andrade
Capital News

Pete Souza/Casa Branca

Barack Obama

Em discurso emocionado, Barack Obama citou a família e seu vice, Joe Biden.

Presidente dos Estados Unidos realizou um último discurso emocionado, onde citou sua esposa, sua família e seu vice, Joe Biden. Recorrendo ao seu antigo slogan de campanha, “Sim, nós podemos. E nós fizemos”.  

Leia a tradução do discurso na íntegra:

É bom estar em casa. Meus concidadãos americanos, Michelle e eu estamos comovidos com todas as (felicitações) que recebemos nas últimas semanas. Mas hoje é minha vez de dizer obrigado. Quer tenhamos coincidido em nossas posições ou raramente tenhamos concordado, minhas conversas com vocês, americanos – em salas de estar e escolas; em fazendas e fábricas; em restaurantes populares ou em lugares distantes– me honraram, me inspiraram e me deram força para seguir em frente. Aprendi com vocês todos os dias. Vocês fizeram de mim um presidente melhor e um homem melhor.

Vim pela primeira vez para Chicago quando tinha 20 e poucos anos, ainda tentando decifrar quem eu era, ainda à procura de um objetivo na vida. Foi em bairros não muito distantes daqui que comecei a trabalhar com grupos de igreja à sombra de siderúrgicas fechadas.

Foi nestas ruas que testemunhei o poder da fé e a dignidade discreta de pessoas trabalhadoras apesar das dificuldades e da derrota. Foi aqui que aprendi que a transformação só acontece quando pessoas comuns se envolvem, se engajam e se unem para reivindicá-la.

Após oito anos como seu presidente, ainda acredito nisso. E não sou apenas eu quem acredita. Esse é o coração palpitante de nossa ideia americana –nosso ousado experimento na capacidade de nos governarmos.

É a convicção de que todos fomos criados iguais, dotados por nosso Criador de certos direitos inalienáveis, entre os quais estão a vida, a liberdade e a busca da felicidade.

É a insistência em que esses direitos, embora manifestos, prescindem de uma legislação específica; e de que nós, o povo, por meio do instrumento de nossa democracia, constituímos uma união mais perfeita.

Essa é a grande dádiva que nossos fundadores nos legaram. A liberdade de perseguirmos nossos sonhos pessoais, com nosso suor, nosso trabalho e imaginação – e o imperativo de lutarmos juntos, também, para alcançar um bem maior.

Há 240 anos, o apelo da nossa nação à cidadania confere trabalho e objetivos a cada nova geração. Foi esse apelo que fez com que os patriotas escolhessem a república e não a tirania, que os pioneiros abrissem caminho rumo ao oeste, que inspirou escravos a aventurar-se naquele caminho improvisado rumo à liberdade. Foi isto que atraiu imigrantes e refugiados a cruzar oceanos e o Rio Grande, que impeliu as mulheres a buscar o direito de votar, que inspirou os trabalhadores a se organizar. Foi por isso que soldados americanos sacrificaram suas vidas na praia de Omaha e em Iwo Jima, no Iraque e no Afeganistão; foi por isso que homens e mulheres de Selma a Stonewall se dispuseram a também sacrificar as suas.

Então é isso o que queremos dizer quando falamos que a América é excepcional. Não que nosso país tenha sido perfeito desde o começo, mas nós demonstramos a capacidade de mudar e de melhorar a vida daqueles que virão depois.

Sim, nosso progresso tem sido desigual. A democracia implica um esforço árduo, controverso e por vezes sangrento. A cada dois passos à frente, muitas vezes achamos que foi dado um passo atrás. Mas os Estados Unidos sempre se definiram por seus avanços, por um constante aprofundamento de nosso credo fundador, de modo a abraçar a todos, e não apenas alguns.

Se eu lhes tivesse dito oito anos atrás que a América superaria uma grande recessão, revigoraria nossa indústria automotiva e daria início à mais longa fase de geração de empregos de nossa história… se eu tivesse dito que abriríamos um capítulo novo com o povo cubano, que fecharíamos o programa iraniano de armas nucleares sem disparar um único tiro e que eliminaríamos o cérebro do 11 de setembro… se eu tivesse dito que conquistaríamos o casamento entre pessoas do mesmo sexo e que garantiríamos a outros 20 milhões de nossos concidadãos o direito a um plano de saúde –vocês talvez dissessem que estávamos querendo demais.

Mas foi o que fizemos. Foi o que vocês fizeram. Vocês foram a transformação. Vocês atenderam às esperanças das pessoas, e graças a vocês, segundo praticamente todo e qualquer critério, a América é um lugar melhor e mais forte hoje do que era quando começamos.

Daqui a dez dias, o mundo assistirá a um ato que caracteriza nossa democracia: a transferência pacífica de poder de um presidente livremente eleito a outro. Prometi ao presidente eleito Trump que minha administração asseguraria a transição mais tranquila possível, como o presidente Bush fez comigo. Porque cabe a todos nós assegurar que nosso governo possa nos ajudar a fazer frente aos muitos desafios que ainda enfrentamos.

Dispomos do necessário para que isso ocorra. Afinal, ainda somos o país mais rico, mais poderoso e mais respeitado da Terra. Nossa juventude e garra, nossa diversidade e abertura, nossa capacidade ilimitada de encarar o risco e a reinvenção significam que o futuro teria de nos pertencer.

Mas esse potencial só se realizará se nossa democracia funcionar. Somente se nossa política refletir a decência do nosso povo. Somente se todos nós, independentemente de nossa filiação partidária ou interesses pessoais, contribuirmos para restaurar o senso de um objetivo comum de que tanto necessitamos agora.

É disso que quero tratar hoje: o estado de nossa democracia.

Entendam que a democracia não exige uniformidade. Nossos fundadores brigaram, fizeram concessões e esperaram que fizéssemos o mesmo. Mas eles sabiam que a democracia exige, sim, um senso básico de solidariedade – a ideia de que, não obstante todas nossas diferenças externas, estamos nesta juntos; que nos elevamos ou tombamos com um só.

Houve momentos ao longo de nossa história que ameaçaram romper essa solidariedade. O início deste século tem sido um desses momentos. Um mundo cada vez menor, a desigualdade crescente; as mudanças demográficas e o espectro do terrorismo – essas forças puseram à prova não apenas nossa segurança e prosperidade, mas também nossa democracia. E a maneira como enfrentamos esses desafios à nossa democracia determinará nossa capacidade de educar nossos filhos, gerar bons empregos e proteger nossa pátria.

Em outras palavras, vai determinar nosso futuro.

Nossa democracia não vai funcionar sem a ideia de que todos tenham oportunidades econômicas. Hoje a economia voltou a crescer; os salários, as rendas, o valor dos imóveis e as aposentadorias voltaram a subir, e a pobreza voltou a diminuir. Os ricos estão pagando uma parcela mais justa de impostos, ao mesmo tempo que o mercado acionário quebra recordes.

O índice de desemprego se aproxima do nível mais baixo em dez anos. O índice de pessoas sem seguro nunca foi mais baixo. Os custos da saúde estão subindo no ritmo mais lento dos últimos 50 anos. E, se alguém puder montar um plano que seja comprovadamente melhor que as melhorias que promovemos ao nosso sistema de saúde – que cubra o mesmo número de pessoas a um custo mais baixo -, eu darei publicamente o meu apoio.

É para isso, afinal, que servimos nosso país – para melhorar a vida da população, e não para piorá-la.
Mas, apesar de todos os avanços reais que conquistamos, sabemos que isto não basta. Nossa economia não funciona tão bem nem cresce tanto quando poucos prosperam em detrimento de uma classe média crescente. A desigualdade gritante também corrói nossos princípios democráticos.

Enquanto o 1% mais rico acumulou uma parcela maior da riqueza e renda, ainda são inúmeras as famílias, nos centros pobres das grandes cidades e nos condados rurais, que foram abandonadas: operários de fábricas demitidos, garçonetes e profissionais de saúde que têm dificuldade em pagar suas contas, convencidos de que esta situação foi criada para desfavorecê-los, que seu governo defende apenas os interesses dos poderosos. É uma receita de mais cinismo e polarização de nossa política.

Não existem soluções fáceis para esta tendência no longo prazo. Concordo que nosso comércio deve ser justo, e não apenas livre. Mas as futuras perturbações da atividade econômica não virão do exterior. Virão como consequência do avanço implacável da automação, que torna obsoletos muitos bons empregos da classe média.

Por isso precisamos forjar um novo pacto social – para garantir a todos os nossos filhos a educação de que necessitam; para conferir aos trabalhadores o poder de se sindicalizarem em busca de salários melhores; para modernizar a rede de segurança social de modo a refletir nossa maneira de viver hoje e empreender outras reformas tributárias, a fim de que as empresas e os indivíduos que mais lucram com a nova economia não evitem cumprir suas obrigações para com o país que possibilitou seu sucesso.

odemos discutir sobre as melhores maneiras de alcançar esses objetivos. Mas não podemos transigir em relação aos objetivos em si. Pois, se não gerarmos oportunidades para todas as pessoas, a animosidade e as divisões que paralisaram nosso progresso só se intensificarão nos próximos anos.

Há uma segunda ameaça à nossa democracia, tão antiga quanto o nosso país. Depois da minha eleição, falou-se em uma América livre de preconceitos. Ainda que esta visão fosse bem-intencionada, nunca foi realista. A raça continua constituindo uma força poderosa e controversa em nossa sociedade. Já vivi o suficiente para saber que as relações raciais são melhores hoje do que eram dez, 20 ou 30 anos atrás – isto é visível não apenas nas estatísticas, mas nas atitudes de jovens americanos de todo o espectro político.

Mas nós não chegamos aonde precisamos chegar. Todos nós temos mais trabalho a fazer. Afinal, se todo problema econômico é apresentado como uma luta entre a classe média branca que trabalha arduamente e minorias indignas, trabalhadores de todas as cores terão de ficar disputando as sobras, enquanto os ricos se fecharão ainda mais em seus enclaves privados.

Se nos negarmos a investir nos filhos de imigrantes, apenas porque eles não se parecem conosco, prejudicaremos as perspectivas futuras de nossos próprios filhos – porque essas crianças morenas irão representar uma parcela maior da força de trabalho da América. E nossa economia não precisa ser um jogo de soma zero, em que alguns ganham e outros perdem. No ano passado houve um aumento de renda para todas as raças, todas as faixas etárias, para homens e mulheres.

Daqui em diante, precisamos respeitar e implementar as leis contra a discriminação – nas contratações, no setor habitacional, na educação e no nosso sistema penal. É o que exigem nossa Constituição e nossos ideais mais elevados. Mas as leis não serão o bastante, por si sós. É preciso que os corações mudem. Para que nossa democracia funcione neste país cada vez mais diversificado, é preciso que cada um de nós dê ouvidos ao conselho de um dos grandes personagens da ficção americana, Atticus Finch, que disse: “Você só vai compreender realmente uma pessoa enquanto não enxergar as coisas do ponto de vista dela… enquanto não entrar na sua pele”.

Para os negros e outras minorias, isso significa vincular nossas próprias lutas por justiça aos desafios que inúmeras pessoas neste país enfrentam: o refugiado, o imigrante, o pobre da zona rural, o americano transgênero e também o homem branco e de meia idade que, visto de fora, pode até dar a impressão de desfrutar de todas as vantagens, mas que viu seu mundo virado de ponta cabeça pelas transformações econômicas, culturais e tecnológicas.

Para os americanos brancos, isso significa reconhecer que os efeitos da escravidão e das leis Jim Crow não desapareceram de repente na década de 1960; que, quando grupos minoritários expressam seu descontentamento, não estão apenas adotando atitudes racistas ao contrário ou pretendendo ser politicamente correto; que, quando promovem protestos pacíficos, não estão reivindicando um tratamento especial, mas o tratamento igual prometido pelos fundadores da nossa nação.

Para os americanos natos, isso significa recordar que os estereótipos manifestados hoje sobre imigrantes foram expressos, em termos quase idênticos, em relação aos imigrantes irlandeses, italianos e poloneses. A América não foi enfraquecida pela presença desses imigrantes; eles abraçaram o credo deste país, e o país saiu fortalecido.

Assim, independentemente da posição que ocupamos, precisamos nos esforçar mais; partir da premissa de que cada um de nossos concidadãos ama este país tanto quanto nós o amamos; que eles valorizam o trabalho duro e a família como nós; que seus filhos são tão curiosos, cheios de esperança e dignos de amor quanto os nossos.

Nada disto é fácil. Para muitos de nós, tornou-se mais seguro retirar-se para dentro de nossas próprias bolhas, sejam elas nossos bairros, nossas universidades, nossos lugares de oração ou nossos feeds das mídias sociais, cercados por pessoas de aparência semelhante à nossa, que compartilham de nossa visão política e nunca contestam nossas premissas.

A polarização crescente de opiniões, a crescente estratificação econômica e regional, a fragmentação de nossa mídia em canais para todos os gostos – tudo isso faz com que esse grande processo de divisão em categorias distintas pareça natural, até inevitável. E, cada vez mais, nos sentimos tão seguros em nossas bolhas que só aceitamos informações, verídicas ou não, que se enquadram com nossas opiniões, em vez de basear nossas opiniões nas evidências existentes.

Esta tendência representa uma terceira ameaça à nossa democracia. A política é uma batalha de ideias; ao longo de um debate sadio, priorizamos metas diferentes e meios distintos de alcançá-las. Mas, sem alguma base comum de fatos, sem a disposição de aceitar novas informações e reconhecer que nosso adversário está apresentando um argumento justo e que a ciência e a razão têm importância, vamos continuar a falar sem ouvir ou ser ouvidos por nossos interlocutores, impossibilitando qualquer consenso.

Isto não fará parte daquilo que torna a política tão desanimadora? Como podem as autoridades eleitas criticar asperamente os déficits quando propomos que se gaste dinheiro com pré-escola para as crianças, mas não quando reduzimos os impostos pagos pelas grandes empresas? Como podemos desculpar os lapsos éticos cometidos em nosso próprio partido, mas atacar duramente o outro partido quando faz o mesmo? Essa classificação de fatos não é apenas desonesta – ela acaba derrotando sua própria finalidade. Porque, como dizia minha mãe, a realidade costuma nos cobrar a conta.

Tomemos o desafio das mudanças climáticas. Em apenas oito anos, reduzimos nossa dependência do petróleo estrangeiro pela metade, dobramos nossa energia renovável e levamos o mundo a um acordo que encerra a promessa de salvar este planeta. Mas, sem uma ação mais ousada, nossos filhos não terão tempo para discutir a existência das mudanças climáticas: estarão ocupados enfrentando seus efeitos – desastres ambientais, turbulências econômicas e ondas de refugiados climáticos buscando abrigo em outros países.

Podemos e devemos discutir a respeito da melhor maneira de abordar o problema. Entretanto, simplesmente negar o problema significa não apenas trair as gerações futuras, mas trair o espírito essencial de inovação e a solução prática de problemas que guiaram os fundadores de nosso país.
Foi esse espírito, nascido do iluminismo, que nos converteu numa grande potência econômica; foi esse espírito que decolou do Kitty Hawk e de Cabo Canaveral; é o espírito que cura doenças e coloca um computador em cada bolso.

É esse espírito – a crença na razão, no empreendedorismo e na primazia do direito, e não da força, que nos permitiu resistir à atração do fascismo e da tirania durante a Grande Depressão e construir uma ordem pós-Segunda Guerra Mundial com outras democracias, uma ordem baseada não apenas no poderio militar e em filiações nacionais, mas em princípios: o estado de direito, os direitos humanos, as liberdades de religião, de expressão, de reunião e de imprensa.

Esta ordem está sendo contestada hoje – primeiramente por fanáticos violentos que alegam falar em nome do islã; mais recentemente, por autocratas em capitais estrangeiras que enxergam o mercado livre, as democracias abertas e a própria sociedade civil como uma ameaça ao seu poder.

O perigo que cada um representa à nossa democracia tem alcance maior que um carro-bomba ou um míssil. Ele representa o medo das mudanças; o medo das pessoas de aparência diferente da nossa, que falam ou oram de modo diferente; o desprezo pelo estado de direito, que obriga os líderes a prestar conta de seus atos; a intolerância da dissensão e do livre pensamento; a crença de que a espada, a arma de fogo, a bomba ou a máquina de propaganda política são os árbitros definitivos do que é certo ou errado.

Graças à coragem extraordinária de nossos homens e mulheres nas Forças Armadas e aos agentes de inteligência, policiais e diplomatas que lhes fornece apoio, nenhuma organização terrorista estrangeira planejou e executou com sucesso um ataque em nosso país nos últimos oito anos; e, embora Boston e Orlando nos recordem de quão perigosa pode ser a radicalização, nossas polícias estão mais vigilantes e são mais eficazes que nunca. Eliminamos milhares de terroristas, incluindo Osama bin Laden.

A coalizão global que lideramos contra o Estado Islâmico eliminou seus líderes e tomou metade de seu território. O EI será destruído, e ninguém que ameaça a América estará em segurança, jamais. A todos os membros das Forças Armadas, ser seu comandante em chefe tem sido a grande honra de minha vida.

Mas proteger nosso modo de vida requer mais do que nossos militares. A democracia pode sucumbir quando cedemos ao medo. Assim, do mesmo modo que nós, cidadãos, precisamos nos manter vigilantes contra a agressão externa, precisamos nos precaver contra o enfraquecimento dos valores que nos tornam quem somos. Foi por isso que trabalhei nos últimos oito anos para dotar a luta contra o terrorismo de um embasamento legal mais firme.

Foi por isso que acabamos com a tortura, trabalhamos para fechar Guantánamo e reformar nossas leis de vigilância, de maneira a proteger a privacidade e as liberdades civis. É por isso que repudio a discriminação contra os americanos muçulmanos. É por isso que não podemos deixar de participar de conflitos globais – para expandir a democracia, os direitos humanos, os direitos das mulheres e os direitos dos LGBT –, por mais que nossos esforços sejam imperfeitos, por mais que possa parecer conveniente ignorar esses valores.

Pois a luta contra o extremismo, a intolerância e o sectarismo faz parte da luta contra o autoritarismo e a agressão nacionalista. Se o alcance da liberdade e do respeito pelas leis se reduzir em todo o mundo, aumentará a probabilidade de guerras dentro e entre países, e nossas próprias liberdades acabarão ameaçadas.

Portanto, sejamos vigilantes, mas não tenhamos medo. O EI tentará matar inocentes. Mas não poderá derrotar a América, a não ser que nós traiamos a Constituição e nossos princípios ao lutar contra ele. Rivais como Rússia e China não poderão igualar nossa influência em todo o mundo – a não ser que rejeitemos tudo o que representamos e passemos a ser mais um país grande que oprime seus vizinhos menores.

E isso me leva à questão final que pretendo abordar: nossa democracia é ameaçada sempre que a consideramos segura. Todos nós, independentemente de nossa filiação partidária, devemos nos engajar na tarefa de reconstrução de nossas instituições democráticas. Quando nossos índices de participação eleitoral estão entre os mais baixos nas democracias avançadas, precisamos facilitar o voto, e não dificultá-lo.

Quando a confiança em nossas instituições está baixa, devemos reduzir a influência corrosiva do dinheiro em nossa política e insistir que os princípios de transparência e ética sejam respeitados por nossos políticos. Quando o Congresso funciona de maneira anormal, precisamos fazer com que nossos distritos incentivem os políticos a agir pautados pelo bom senso, e não por posições radicais e rígidas.
E tudo isso depende de nossa participação; de que cada um aceite a responsabilidade da cidadania, independentemente do lado para o qual o pêndulo do poder oscila.

Nossa Constituição é uma dádiva notável e bela. Mas, na realidade, é apenas um pergaminho. Ela não tem nenhum poder, em si. Somos nós, o povo, que lhe conferimos poder – com nossa participação e com as escolhas que fazemos: se nos posicionamos ou não em defesa de nossas liberdades; se respeitamos e aplicamos as leis, ou não. A América não é algo frágil. Mas as conquistas de nossa longa jornada rumo à liberdade não são garantidas.

Em seu discurso de despedida, George Washington escreveu que o governo autônomo é a base de nossa segurança, prosperidade e liberdade, mas que “muitos esforços serão feitos, a partir de causas e de origens diferentes, para enfraquecer a convicção desta verdade em vossas mentes”; que devemos preservar essa convicção “com o máximo de zelo”; que devemos rejeitar “a primeira aurora de cada tentativa de alienar qualquer parte de nosso país do restante ou de enfraquecer os laços sagrados” que nos unem.

Enfraquecemos esses laços quando permitimos que nosso diálogo político se torne tão corrosivo que pessoas de bom caráter se sintam desencorajadas de atuar na política; tão grosseiro e rancoroso que os americanos de quem discordamos como não apenas se sintam enganados, mas até certo ponto malévolos. Enfraquecemos esses laços quando definimos alguns de nós como sendo mais americanos que outros; quando tachamos o sistema por inteiro como sendo inevitavelmente corrupto e atribuímos a culpa por isso aos líderes que elegemos, sem analisar nosso próprio papel em sua eleição.

Cabe a cada um de nós ser um daqueles guardiões ansiosos e zelosos de nossa democracia e abraçar a tarefa compensadora que nos foi dada de procurar continuamente melhorar esta nossa grande nação. Porque, não obstante todas nossas diferenças externas, todos compartilhamos do mesmo título que é motivo de orgulho: cidadão.

Em última análise, é isto que nossa democracia exige. Ela precisa de você. Não apenas quando há uma eleição, não apenas quando seus próprios interesses limitados estão em jogo, mas ao longo de toda sua vida. Se você está cansado de argumentar com desconhecidos na internet, experimente conversar com um desconhecido na vida real. Se alguma coisa precisa ser consertada, arregace as mangas e organize pessoas para consertá-la.

Se você está decepcionado com os políticos que elegeu, agarre uma prancheta, colete algumas assinaturas e candidate-se a um cargo na política, você mesmo. Compareça. Mergulhe fundo. Persevere. Algumas vezes você vencerá. Outras perderá. Supor que há uma reserva enorme de bondade nos outros pode ser um risco, e haverá momentos em que o processo o decepcionará. Mas, para aqueles de nós que tivemos a sorte de fazer parte deste esforço, de vê-lo de perto, ele pode energizar e inspirar as pessoas, garanto a vocês. E, na maioria das vezes, sua fé na América e nos americanos será confirmada.

A minha o foi, sem dúvida alguma. Nos últimos oito anos pude ver os rostos esperançosos de jovens recém-formados e de nossos oficiais militares mais recentes. Chorei com famílias enlutadas, em busca de respostas, e encontrei a graça divina numa igreja de Charleston.

Vi nossos cientistas ajudarem um paralítico a recobrar o tato e vi nossos guerreiros feridos voltarem a andar. Vi nossos médicos e voluntários reconstruir após terremotos e impedir o avanço de pandemias. Vi as crianças menores nos fazerem lembrar da obrigação de cuidar de refugiados, de trabalhar em paz e, sobretudo, de cada um velar pelo outro.

A fé que depositei tantos anos atrás, não longe daqui, no poder dos americanos comuns de efetuarem mudanças – essa fé foi recompensada de maneiras que eu jamais poderia ter imaginado. Espero que a sua também tenha sido. Alguns de vocês que estão aqui hoje ou que estão assistindo em casa estiveram conosco em 2004, em 2008, em 2012 – e talvez ainda mal acreditem que conseguimos realizar tudo isto.

Vocês não são os únicos. Michelle – há 25 anos você é não apenas minha mulher e a mãe de minhas filhas, mas também minha melhor amiga. Você assumiu um papel que não tinha pedido e o fez seu, com graça, garra, estilo e bom humor. Você fez da Casa Branca um lugar que pertence a todos. E uma nova geração passou a ter aspirações maiores por ter você como exemplo a seguir. Você me deixou orgulhoso. Deixou o país orgulhoso.

Malia e Sasha, nas circunstâncias mais estranhas possíveis vocês se tornaram duas jovens surpreendentes, inteligentes e lindas, mas, o que é mais importante, gentis, profundas e cheias de paixão. Vocês conviveram facilmente com o peso dos anos passados sob os holofotes. De todas as coisas que já fiz em minha vida, a que me dá maior orgulho é ser seu pai.

Joe Biden, o garoto briguento de Scranton que se tornou o filho favorito de Delaware: você foi o primeiro nome que escolhi para minha equipe e foi minha melhor escolha. Não apenas porque você foi um vice-presidente fantástico, mas porque, com isso, acabei ganhando um irmão. Amamos você e Jill como se fizessem parte da nossa família, e a amizade com vocês tem sido uma das grandes alegrias de nossa vida.

A meus assessores excepcionais: nestes oito anos –e, no caso de alguns de vocês, há muito mais tempo que isso– devo dizer que venho me fortalecendo com sua energia e procurando refletir de volta aquilo que vocês demonstraram diariamente: coração, caráter e idealismo.

Vi vocês crescerem, se casarem, ter filhos e iniciar jornadas próprias, novas e incríveis. Mesmo quando as coisas se tornaram árduas e frustrantes, vocês nunca deixaram que Washington os dominasse. A única coisa que me dá orgulho maior que tudo o que realizamos é pensar em todas as coisas notáveis que vocês realizarão daqui em diante.

E a todos vocês aí fora – a cada organizador que se mudou para uma cidade desconhecida, a cada família gentil que o acolheu, a cada voluntário que já foi de porta em porta, a cada jovem que foi votar pela primeira vez, a cada americano que viveu e respirou o trabalho árduo de conquistar mudanças – saibam que vocês são os melhores partidários e organizadores que seria possível desejar, e lhes serei eternamente grato. Porque, sim, vocês mudaram o mundo.

É por isso que deixo este palco esta noite ainda mais otimista em relação a este país do que estava quando começamos. Porque sei que nosso trabalho não apenas ajudou tantos americanos; ele inspirou tantos americanos – especialmente tantos jovens aí fora – a acreditar que vocês têm o poder de influir; a atrelar suas esperanças a algo maior do que vocês mesmos.

Esta geração que está chegando – uma geração altruísta, criativa, patriótica –, eu vi vocês em todos os cantos do país. Vocês acreditam em uma América justa; sabem que as transformações constantes têm sido a marca registrada da América, que não devem ser temidas, mas abraçadas, e vocês estão dispostos a levar adiante esta tarefa árdua da democracia. Dentro em breve, vocês nos superarão em número, e acredito que, graças a isso, o futuro estará em boas mãos.

Meus concidadãos americanos, servir a vocês foi a maior honra de minha vida. Não deixarei de fazê-lo; na verdade, estarei à sua disposição, como cidadão, todos os dias de vida que me restam. Por enquanto, quer você seja jovem ou jovem de coração, tenho um último pedido a lhe fazer como seu presidente – a mesma coisa que pedi quando você apostou em mim, oito anos atrás.

Estou pedindo que você acredite, não em minha capacidade de trazer mudanças, mas na de vocês.
Estou pedindo que vocês se aferrem à fé inscrita em nossos documentos fundadores; aquela ideia sussurrada por escravos e abolicionistas; o espírito cantado por imigrantes, lavradores e aqueles que marcharam pela justiça; o credo reafirmado por aqueles que plantaram bandeiras em lugares desde campos de batalha no exterior até na superfície da Lua; um credo que está na essência de todo americano cuja história ainda não foi escrita:

Sim, nós podemos.
Sim, nós fizemos.
Sim, nós podemos.

Obrigado. Deus os abençoe. E que Deus continue a abençoar os Estados Unidos da América.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix