Campo Grande/MS, Terça-Feira, 24 de Outubro de 2017 | 02:36
27˚
(67) 3042-4141
Nacional
Quinta-Feira, 10 de Agosto de 2017, 17h:43
Tamanho do texto A - A+

Operação Descarrilho aponta que R$ 8milhões seriam aplicados na Suíça

Ex-governador do Mato Grosso receberia propina de empresa espanhola em bancos do país

Flavia Andrade
Capital News

Só Notícias/Luiz Ornaghi/arquivo

Operação Descarrilho aponta que R$ 8milhões seriam aplicados na Suíça

Ex-governador do Mato Grosso receberia propina de empresa espanhola em bancos do país

Após a Operação Descarrilho, da Polícia Federal, que investiga fraudes nas obras do Veículo Leve sobre Trilhos  (VLT), o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), tinha a intenção de guardar 8 milhões de euros, referente à propina que iria receber de uma empresa espanhola, da qual havia comprado os vagões.

As informações foram repassadas ao Ministério Público Federal (MPF) pelo ex-secretário de estado Pedro Nadaf  durante depoimento  divulgado nessa quarta-feira (9). Ao site G1 a defesa do ex-governador informou que não irá comentar o assunto. 

De acordo com Nadaf, em depoimento dado ao MPF em janeiro deste ano, Silval Barbosa o perguntou se ele conhecia o sistema financeiro da Suíça. "Barbosa perguntou ao declarante se tinha conhecimento como funcionava os sistemas financeiros na Suíça, pois ele (Silval) afirmou que tinha para receber, somente de sua parte, cerca de 8 milhões de euros oriundos de propinas da empresa espanhola CAF, responsável pela venda dos vagões do VLT ao governo", diz parte do inquérito da Polícia Federal. 

Com base nas declarações do ex-secretário sobre esquema de propinas envolvendo a obra do VLT, o ex-governador foi intimado e prestou depoimento em julho deste ano.

Silval Barbosa passou cerca de dois anos preso sob acusação de desvio de dinheiro por meio da concessão ilegal de incentivos fiscais a empresas privadas mediante recebimento de propina. Ele foi solto em junho deste ano, com tornozeleira eletrônica, após um acordo para a devolução de R$ 46,6 milhões desviados dos cofres públicos por meio da alienação de cinco bens, entre eles duas fazendas avaliadas em R$ 33 milhões e R$ 10 milhões e um avião de R$ 900 mil.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix