Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 24 de Maio de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Nacional
Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 13h:38
Tamanho do texto A - A+

Presidente assina decreto que revoga o horário de verão

Instituído pelo ex-presidente Getúlio Vargas, Horário de Verão é extinto no Brasil.

Flavia Andrade
Capital News

Valter Campanato/Agência Brasil

Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro

 

Nesta quinta-feira (25) o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinou o decreto durante cerimônia no Palácio do Planalto. O Horário de Verão foi instituído pela primeira vez pelo ex-presidente Getúlio Vargas.

 

Bolsonaro já havia anunciado no início de abril, em uma rede social, a decisão de acabar com o horário de verão neste ano. Durante o período,  parte dos estados brasileiros adiantava o relógio em uma hora.

 

Segundo Presidente da República, "Após estudos técnicos que apontam para a eliminação dos benefícios por conta de fatores como iluminação mais eficiente, evolução das posses, aumento do consumo de energia e mudança de hábitos da população, decidimos que não haverá Horário de Verão na temporada 2019/2020”, declarou.

 

Para o Ministério de Minas e Energia, O Horário de Verão gerou economia para o Brasil de aproximadamente R$ 1,4 bilhão desde 2010.

 

De acordo com o site G1, no Brasil, o horário de verão foi instituído pela primeira vez no verão de 1931/1932, pelo então Presidente Getúlio Vargas. Sua versão de estreia durou quase seis meses, vigorando de 3 de outubro de 1931 a 31 de março de 1932.

 

No verão seguinte, ainda segundo o G1, a medida foi novamente adotada, mas, depois, começou a ser em períodos não consecutivos. Primeiro, entre 1949 e 1953, depois, de 1963 a 1968, voltando em 1985 até agora.

 

O período de vigência do horário de verão é variável, mas, em média, dura 120 dias. Em 2008, o horário de verão passou a ter caráter permanente.

 

Cerca de 70 países adotam o horário diferenciado, atingindo aproximadamente um quarto da população mundial.

 

O horário de verão é adotado em países como Canadá, Austrália, Groelândia, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai. Rússia, China e Japão, por exemplo, não implementam esta medida

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix