Campo Grande/MS, Terça-Feira, 27 de Junho de 2017 | 06:36
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Quarta-Feira, 08 de Março de 2017, 19h:15
Tamanho do texto A - A+

110 anos de uma mulher intensa

Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Por Oscar D'Ambrosio*
Artigo de responsabilidade do autor

Dia 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher e, dia 6 de julho, é o 110º aniversário da artista plástica mexicana Frida Kahlo (1907 - 1954). Sua temática, essencialmente autobiográfica, suscita uma reflexão sobre o próprio ato de viver - e isso independe dos fatos de der mulher ou de ser latina.

Unesp

Oscar D'Ambrosio - Artigo

Oscar D'Ambrosio

 

Nessa universalidade, porém, é claro que há características muito peculiares, como o cabelo, símbolo da feminilidade; a cama e a coluna vertebral, que apontam para as suas terríveis dores físicas, desde o terrível acidente automobilístico que sofreu na juventude; e a onipresença do muralista Diego Rivera, sua complexa relação amorosa e afetiva.

Há em Frida uma intensidade que a mantém sempre atual. Ela se faz presente em seus diários, na célebre Casa Azul, hoje Museu Frida Kahlo, nas fotos e pinturas em que o casal surge junto; e nos elementos visuais que caracterizam as imagens criadas pela artista, como as flores, a vegetação e o sol.

Frida manteve o sonho vivo por mais áspero que fosse seu cotidiano. Tornou-se um mito e construiu uma narrativa sobre si mesma que gera diversas interpretações. Conhecendo melhor a mulher e a artista, mergulhamos com densidade em nós mesmos e num mundo além do sexo, da sexualidade, da biografia e do local em que nascemos.

 

 

*Oscar D'Ambrosio

Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, mestre em Artes Visuais, atua na Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix