Campo Grande/MS, Sábado, 23 de Junho de 2018 | 02:25
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Sábado, 10 de Março de 2018, 10h:07
Tamanho do texto A - A+

A política como ela não é

Por Adilson Roberto Gonçalves*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Yeda Crucius veio a público apenas para dar um recado a FHC, dizendo que Luciano Huck não é cogitado como candidato pelo PSDB (“As prévias e o PSDB”, 14/2). Sabendo que na política tucana não há definições, apenas arranjos, ao dizer que estão no páreo apenas Alckmin e Virgílio, a deputada pode estar medindo forças com o ex-presidente. Ou citando o guia à entrada do inferno à busca do elixir da longa vida, com o perdão dos implícitos trocadilhos.

Divulgação

Adilson Roberto Gonçalves - Artigo

Adilson Roberto Gonçalves


A “amiga’ Marli Iglesias avoca que “Cristiane Brasil é vítima dos machistas” (16/2), uma afirmação paradoxal, haja vista a misoginia dos que assumiram o governo em Brasília. No texto, ela desconsidera que o fato principal do impedimento é o peso das condenações trabalhistas a alguém que pretendia assumir o Ministério do Trabalho.

Hélio Schwartsman direciona sua pergunta “O constituinte é alfabetizado?” (17/2) para dois aspectos importantes. Primeiramente, fez-me consultar as bases históricas da Assembleia Nacional

Constituinte de 1987/1988 para verificar que os termos inicialmente propostos eram “considera-se inocente todo cidadão”, que foram alterados para “ninguém será considerado culpado”. Uma sutileza, sim, mas havia afirmação expressa da presunção de inocência, o que dificultaria mais a prisão do inocente. O articulista também deixa clara a necessidade da nebulosidade nos textos legais, pois há de se manter o emprego dos operadores do direito, haja vista que engordam seus proventos com os litígios propositadamente inseridos pelos colegas parlamentares.

A cartilha liberal é falaciosa porque parte do sofisma que sua base é econômica, enquanto que o governante deveria ter um programa de prerrogativas sociais. A questão não é o equilíbrio de contas e, sim, desonerar o pobre e cobrar impostos do rico – todas as pesquisas mostram que, proporcionalmente, quem mais ganha, menos paga. A falácia do estado liberal mínimo cai por terra quando o empresário brasileiro não corre riscos se não for com o apoio público, em qualquer época de nossa história, quer seja pelo financiamento direto ou pela isenção de impostos.

Não há como discordar de Priscila Cruz que defendeu a “Educação já!” (15/2), mas é difícil aceitar que parlamentares e outros eleitos farão da educação sua base, uma vez que saber é poder, poder este que deixaria de ser monopólio desses representantes. Além disso, o rótulo de público precisa ser entendido como de todos e não de ninguém. Em termos econômicos, que é o que vale ao final, os grupos que estão comprando escolas no Brasil, transformando a educação em um negócio forte e rentável, possuem uma força além da lógica e da ideologia que combate a dignificação da escola pública. Precarizar para privatizar, eis o lema.

A intervenção militar no Rio é puro oportunismo, baseada, como sempre, na oclusão do principal. Se a fonte primária da violência é o narcotráfico, por que não avaliar seriamente a descriminalização das drogas? O crime organizado impede, eis a verdade. O resultado é a opressão a negros e pobres, impedidos no seu ir e vir. E a elite branca do asfalto até aplaude, como fez em 1964. A intimação do professor Carlini e a intervenção no Rio de Janeiro guardam forte relação. Enquanto um estuda os efeitos medicinais da maconha, cuja descriminalização é uma das bandeiras da democracia moderna, o ato do governo federal se pauta na criminalidade sustentada especialmente pelo tráfico de drogas. Fossem liberadas as drogas, diminuiria o crime, apontam os especialistas, mas é mais fácil a truculência militar que o conhecimento científico. Quando o soldado revista a bolsa da criança e o cientista é intimado a depor, temos a medida do retrocesso no país.

 

 

*Adilson Roberto Gonçalves

Pesquisador no IPBEN – Unesp de Rio Claro, membro da Academia Campineira de Letras e Artes e da Academia de Letras de Lorena.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix