Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 11 de Dezembro de 2017 | 06:23
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Domingo, 12 de Março de 2017, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

A razão e a fé

Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Por Percival Puggina*
Artigo de responsabilidade do autor

É bem provável que você já tenha ouvido falar de uma eterna luta entre a Fé e a Razão. A idéia básica desse ilusório conflito é a de que o ato de fé envolve algo que não se pode sentir ou compreender e que portanto você precisa optar: ou conserva a fé e perde a cabeça ou conserva a cabeça e perde a fé. Desde antes de surgir a imprensa, toneladas de pergaminho foram gastas para os tiroteios filosóficos que a questão proporciona. Era a fé cega (crê ou morre) trocando chumbo com a razão cega (não crê e morre igual).

puggina.org

Percival Puggina

Percival Puggina

 

Quando os autores clássicos foram redescobertos, por volta do século XII, viu-se que a discussão apenas atualizava algo que noutro nível já tinha sido abordado por Platão e Aristóteles. E o achado não fez mais do que acrescentar  sofisticada pólvora ao arsenal dos intelectuais.

O noticiário desse antigo bate-boca chegou até nós com a manchete de que a Igreja sempre se opôs à evolução das ciências e do pensamento, desejosa de manter a humanidade no nível de estupidez necessário à prosperidade da fé. Nada mais injusto e falso! A discussão sobre as relações entre a Fé e a Razão começou e evoluiu em ambiente católico, foi proporcionada durante séculos pelos maiores pensadores da Igreja e só encontrou solução dentro dela. Muitos santos e doutores da Igreja - Santo Anselmo, São Bernardo, Santo Alberto Magno, São Boaventura, São Tomás de Aquino, entre outros - tomaram trincheira nesse debate fazendo com que, aos poucos, as idéias clareassem. A eles se juntaram sucessivas gerações de brilhantes intelectuais (em especial dominicanos e franciscanos) cujo prodigioso saber extasiava os estudantes das antigas universidades. Vale lembrar que todas as grandes universidades nasceram católicas e cresceram à sombra da Igreja.

Foi com seus próprios mestres que a Igreja aprendeu que a Razão e a Fé se aperfeiçoam reciprocamente. Tornando-se também nesse aspecto mãe da civilização e da cultura, a Igreja criou as condições para que surgissem as correntes filosóficas apartadas da teologia. Muitas delas mais tarde se voltariam contra a Igreja e contra a própria humanidade.

A razão e a fé efetivamente se aperfeiçoam. Mas quanta razão na fé que manifesta São Bernardo: “Que me importa a filosofia? Meus mestres são os Apóstolos; eles não me ensinaram a ler Platão nem a deslindar as sutilezas de Aristóteles mas me ensinaram a viver. E acreditai: essa não é uma pequena ciência”. E não é mesmo.

 

 

*Percival Puggina (72)

Membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix