Campo Grande/MS, Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017 | 19:48
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Quinta-Feira, 07 de Setembro de 2017, 12h:49
Tamanho do texto A - A+

A volta dos sabiás

Por Francisco Habermann*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Até parece que os pássaros contrariaram o poeta quando este falou que os sabiás cantavam no campo, nas palmeiras. Hoje, os sabiás cantam em nossos quintais, logo de manhã. E não chegam sós. Acompanham orquestra de outros plumados e enfeitam feriados nacionais como o desta semana, pois estão presentes nas praças e encantam.

Divulgação

Francisco Habermann - Artigo

Francisco Habermann

 

Por isso, esta ave canora recebeu homenagem cívica.

O sabiá é referido como ave símbolo do Brasil. Mereceu até um decreto do presidente Fernando Henrique Cardoso, em 2002. Juntou-se oficialmente aos outros quatro símbolos nacionais – a bandeira, o hino, o brasão de armas e o selo, passando a ter a mesma importância deles na representação do Brasil.

Segundo o ornitólogo Johan Dalgas Frisch (mentor do decreto presidencial), são 12 as espécies de sabiás no Brasil, sendo que o pássaro assume outras denominações em regiões diferentes. Assim, ele tanto pode ser caraxué (Amazonas), sabiá-coca (Bahia), sabiá-laranja (Rio Grande do Sul) e ainda sabiá-de-barriga-vermelha, sabiá-ponga e sabiá-piranga em lugares diferentes.

É ave de canto muito apreciado, que se assemelha ao som de uma flauta. Canta principalmente ao alvorecer e à tarde. O canto serve para demarcar território e, no caso dos machos, para atrair a fêmea. A fêmea também canta, mas numa frequência bem menor que o macho.

Enquanto a fêmea choca no ninho o macho canta distante, noutro galho ou árvore. Isso desvia os predadores da prole e a protege. Dizem os entendidos que o canto do macho é captado pelo embrião ainda dentro do ovo, o que garante o aprendizado precoce da pureza melódica desses pássaros canoros e, também, sua independência.

Essa riqueza nossa encanta e foi imortalizada na “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias (Maranhão, 1823 – 1864, morto em naufrágio diante do litoral brasileiro):

 

“Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;

Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.”

 

O passarinho, cantando, mantém sua independência, o poeta, sonhando, viu o Brasil afundar à sua frente...

 

 

*Francisco Habermann

Médico e prof. aposentado da FMB-UNESP. Membro correspondente da ABL.
fhaber@uol.com.br

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix