Campo Grande/MS, Sábado, 21 de Outubro de 2017 | 10:55
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Segunda-Feira, 19 de Junho de 2017, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

Arroz com feijão

Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Por Walter Roque Gonçalves*
Artigo de responsabilidade do autor

Antes de sofisticar as análises e ferramentas administrativas é preciso centrar-se no "arroz com feijão" empresarial.Trata-se de questões básicas para equilibrar as influências externas e internas em relação às empresas. Quanto aos fatores externos, segundo Alexandre Schwartsman, o recente resultado positivo do PIB (Produto Interno Bruto) ainda não é motivo para comemorar. O 1 % conquistado tem a força da agricultura brasileira. Enquanto os outros fatores como confiança empresarial, investimentos, geração de emprego, reformas, exportações, ainda carecem de melhorias. Ainda no âmbito externo as dificuldades, como por exemplo, a vizinha Venezuela, que deve bilhões aos empresários brasileiros ou mesmo o "furacão Trump" e suas contendas devem ser levadas em consideração.

Divulgação

Walter Roque Gonçalves - Artigo

Walter Roque Gonçalves

 


Quanto aos fatores internos, há de se observar que muitas empresas ainda enfrentam o choque do modelo de gestão, de quando começaram pequenos, em relação aos atuais desafios que geram a grande empresa. Este choque entre o modelo antigo e a nova realidade da organização pode ser tão decisivo para a sobrevivência dos negócios quanto às questões externas apontadas no início do artigo. A falta de comunicação e mal-entendidos ainda geram prejuízos que podem ferir e sangrar até a morte os negócios. 

Para resolver esta questão as ordens precisam ser concisas, diretas e objetivas. Pedir para o funcionário repetir a ordem dada é uma forma de verificar se a comunicação realmente foi bem-sucedida. Deixar as orientações registradas em documentos ou mesmo em e-mails também ajudam a resolver possíveis mal-entendidos e geram ferramentas para a gerência acompanhar a execução das tarefas.

As incertezas que enfrentamos atualmente exigem mais consistência, agilidade e capacidade de adaptação das equipes. Do que adiantará definir um rumo para a empresa e alinhá-la com a realidade nacional e internacional da economia sem que a equipe reaja, em tempo hábil, às mudanças solicitadas?

Comunicação interna, funções e cargos bem definidos, gerência atuante e capacitada para planejar, dirigir, checar e organizar; gestão de fluxo de caixa e  DRE´s, entre outros, realmente são questões básicas que não podem ser deixadas de lado! Empresas do mundo inteiro, e dos mais variados tamanhos, precisam equilibrar seus esforços nas análises de questões externas e internas que podem gerar oportunidades ou ameaças aos negócios. Mas, sem se esquecer do “arroz com feijão” empresarial.

 

 

*Walter Roque Gonçalves

É consultor de empresas, CRA: 6-003457, professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV / América Business School) de Presidente Prudente. Contato: 18-99723-3109.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix