Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 20 de Maio de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Quarta-Feira, 10 de Abril de 2019, 10h:36
Tamanho do texto A - A+

Caravina diz que fala de Bolsonaro está longe da expectativa dos prefeitos

Segundo presidente da Assomasul, Jair Bolsonaro não deixou muito claro o desejo de atender as demandas dos prefeitos.

Flavia Andrade
Capital News

Edson Ribeiro

Caravina diz que fala de Bolsonaro está longe da expectativa dos prefeitos

Segundo presidente da Assomasul, Jair Bolsonaro não deixou muito claro o desejo de atender as demandas dos prefeitos.

 

Nesta terça-feira (09), durante a abertura da XXII Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, avaliou que a fala do presidente Jair Bolsonaro, está longe da expectativa dos prefeitos.

 

De acordo com Caravina, “O presidente, cujo slogan de campanha foi Mais Brasil, menos Brasília, não chegou a frustrar os prefeitos, mas não citou em seu discurso a maioria dos pontos da pauta prioritária defendida pela CNM (Confederação Nacional de Municípios)”, afirma.

 

Ainda segundo a visão do presidente da Assomasul, o Presidente da República Jair Bolsonar, não deixou muito claro o desejo de atender todas as demandas dos gestores públicos, limitando-se a se manifestar favorável ao aumento de 1% no repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) no mês de setembro.

 

Pedro Caravina aponta que, “A gente não pode dizer que frustrou, mas a fala dele foi aquém da expectativa dos prefeitos. A gente esperava que ele falasse mais de forma concreta das pautas municipalistas. Em resumo, ele só adiantou que o governo vai apoiar o Congresso na aprovação do 1% do FPM a ser pago em setembro, que é importante porque é um mês de receita baixa”, destaca.

 

Para o presidente da Assomasul, Bolsonaro não citou em sua fala, por exemplo, a concessão onerosa, os royalties do petróleo, a questão do ISS na cobrança do cartão de crédito, entre outros temas constantes da pauta. “Ele voltou a reafirmar que é municipalista e que o pouco que tem terá de ser dividido com os municípios e confirmou a questão do 1%. Por outro lado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), condicionou a melhoria dos municípios a reforma da Previdência”, enfatiza Caravina.  

 

Porém, a esperança dos prefeitos, segundo Caravina, é quanto a posição dos ministros, com os quais, “A gente está acreditando que os ministros vão falar de forma mais concreta de alguns assuntos. O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ter uma audiência com a gente e deve falar alguma coisa”, conclui.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix