Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 28 de Abril de 2017 | 02:19
27˚
(67) 3042-4141
Política
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017, 12h:17
Tamanho do texto A - A+

Deputado quer emissão de licença para exame de mormo em MS

Hoje, laboratórios do estado não são autorizados a realizarem diagnóstico

Natália Moraes
Capital News

Divulgação/Assessoria

Projeto de Lei obriga as operadoras a informar cobertura de sinal no Estado

Conforme deputado, hoje criadores realizam exames de mormo em outros estados

Deputado Marcio Fernandes (PMDB) solicitou em caráter de urgência ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a emissão da “licença especial de funcionamento”, para diagnóstico de mormo nos laboratórios credenciados no estado. A indicação foi aprovada em sessão na Assembleia Legislativa, ocorrida na quarta-feira (15).


O mormo é causado pela bactéria Burkholderia Mallei e atinge os equídeos: cavalos, burros e mulas. Hoje, os laboratórios credenciados pelo Mapa no estado não são autorizados a realizarem o exame. Assim, os criadores enviam o material para análise em outros estados. Conforme o deputado, além de tornar o processo demorado, já que o resultado costuma sair em 10 dias, também aumenta o custo.


Dois laboratórios estão na etapa de auditoria documental e “in loco” de competência do Mapa, onde será averiguada a gestão de qualidade e habilidade técnica. Mas, como o Inmetro já realizou este item com autorização legal amparada pelo convênio Inmetro/Mapa, o deputado solicita a “licença especial”, para que esses laboratórios possam realizar o exame de diagnóstico do mormo.


Presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Políticas Rural, Agrária e Pesqueira, Fernandes declarou que é preciso solucionar o impasse o quanto antes. “Precisamos desburocratizar o quanto antes esta situação, é inaceitável um Estado movido economicamente pela agropecuária, não ter um laboratório que realiza exames para diagnóstico do mormo”.

 

O primeiro caso de mormo relatado foi em abril de 2015 no estado, até hoje foram 42 notificações, 11 focos e três casos judicializados. (com assessoria)

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix