Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 26 de Junho de 2017 | 18:26
27˚
(67) 3042-4141
Política
Quinta-Feira, 16 de Fevereiro de 2017, 11h:36
Tamanho do texto A - A+

Servidores públicos fazem ‘vigília’ à espera de projeto do Governo para reforma administrativa

Representantes sindicais estão apreensivos e querem ter acesso ao projeto proposto por Azambuja

Liniker Ribeiro e Natália Moraes
Capital News

Natália Moraes/Capital News

Servidores públicos fazem ‘vigília’ à espera de projeto do Governo para reforma administrativa

Representantes do Fórum dos Servidores do estado estão em vígilia na Assembleia Legislativa de MS

A espera pelo projeto que está sendo elaborado pelo Governo de Mato Grosso do Sul, prevendo reforma administrativa para contenção de gastos, vem causando ansiedade por parte servidores públicos. Prometido para o início dos trabalhos na Assembleia legislativa, no dia 7 de janeiro, o documento ainda não foi apresentado por Reinaldo Azambuja (PSDB).

Por conta disso, representantes do Fórum dos Servidores do estado, que representam trabalhadores das áreas de saúde, educação, segurança, dentre outros, estão em vigília na Casa de Leis do estado aguardando um posicionamento de Reinaldo e esperando para saber o que será apresentado por ele. Cerca de 10 líderes sindicais participam da sessão ordinária da Assembleia nesta quinta-feira (16).

Natália Moraes/Capital News

Servidores públicos fazem ‘vigília’ à espera de projeto do Governo para reforma administrativa

Cerca de 10 líderes sindicais participaram da sessão

Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores da Administração Penitenciária de Mato Grosso do Sul (Sinsap), André Santiago, a expectativa pelo documento se deve ao fato de nada ter sido discutido com representantes dos servidores, até o momento, conforme promessa do governo. "O governo sempre declarou que todo tipo de projeto que viria pra cá seria discutido com as entidades, o que não está acontecendo", afirmou.

Para os servidores, as justificativas do de crise previdência por parte do governo não válidas. “Nós mandamos fazer um estudo aprofundado dos dados técnicos do governo com o Dieese e não batem com o que o governador tem falado. Se a previdência está nesta situação [em crise], queremos cobrar dos deputados porque eles são responsáveis pela fiscalização disso” declarou André.

De acordo com declaração de Reinaldo, semanas atrás, o objetivo do projeto é “melhorar o perfil dos gastos públicos e encolher o tamanho do estado sem perder a eficiência”. A reforma também prevê um teto de gastos e demissão de comissionados.

Apesar da espera e presença dos servidores na Assembleia, as emendas não devem ser entregues aos deputados nesta quinta. De acordo com Reinaldo, isso deve acontecer na semana que vem.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix