Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 15 de Agosto de 2018 | 01:11
27˚
(67) 3042-4141
Política
Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 18h:34
Tamanho do texto A - A+

Vereador da Capital aciona STF para garantir impressão do voto nas eleições

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entrou com uma ação no Supremo para derrubar a obrigatoriedade do voto impresso em parte das urnas eletrônicas em outubro

Flávio Brito
Capital News

Izaias Medeiros/Câmara Municipal de Campo Grande

Vereador diz que, a melhor opção seria tributar o ISS e acabar com os táxis

Vinicius Siqueira entrou com pedido de mandado de segurança

O vereador de Campo Grande Vinicius Siqueira (DEM) ajuizou nesta quarta-feira (14) um mandado de segurança coletivo junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) para barrar futura decisão liminar do ministro Gilmar Mendes contra o voto impresso, na ação em que a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge pede a inconstitucionalidade do voto impresso. 

 

A ação, segundo o parlamentar da Capital e que também é presidente nacional da Associação Pátria Brasil, tem o objetivo de impedir que a decisão seja liminarmente concedida, acabando de vez com a possibilidade de voto impresso nas eleições de 2018. Para o presidente da Pátria Brasil, o que se busca é a instalação das impressoras em todas as urnas, visando a transparência do voto e a publicidade na contagem. 

 

“A ação já foi protocolada no STF e deve ser distribuída para análise. Esperamos conseguir a procedência dela já que todos têm interesse, independente do posicionamento ideológico e político. Estamos tentando resguardar a democracia acima de tudo”, argumentou o líder do Democratas em Campo Grande.

 

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, entrou no dia 5 de fevereiro com uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar a obrigatoriedade do voto impresso em parte das urnas eletrônicas nas eleições de outubro. Para a procuradora, a impressão do voto ofende o princípio constitucional do sigilo do voto.

 

Nas eleições deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve usar em torno de 30 mil urnas com impressora. A impressão foi aprovada no Congresso em 2016 e prevê a continuidade da votação por meio da urna eletrônica, mas com a impressão de um boletim dos votos computados, que serão colocados em uma urna física lacrada, para que possam ser auditados. O comprovante não será dado ao eleitor. O custo total de implantação das impressoras em todas as urnas do país é de R$ 1,8 bilhão.

 

Ao defender a derrubada do voto impresso, Raquel Dodge também argumenta que a medida trará transtornos ao eleitor.

 

“As inúmeras intercorrências possíveis com a reintrodução do voto impresso e a consequente quebra do sigilo constitucional do voto colocam em risco a confiabilidade do sistema eleitoral e a segurança jurídica. A implementação da mudança potencializará falhas, causará transtornos ao eleitorado, aumentará a possibilidade de fraudes, prejudicará a celeridade do processo eleitoral. Elevará, ainda, as urnas em que a votação terá que ser exclusivamente manual”, afirma Dodge.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix