Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 21 de Agosto de 2017 | 06:10
27˚
(67) 3042-4141
Reportagem Especial
Domingo, 13 de Agosto de 2017, 08h:00
Tamanho do texto A - A+

Motivada por perdas, jornalista empreende e se torna designer de sucesso

Jornalista conta que inspiração para produção das peças artesanais vem desde criança

Laura Holsback
Capital News

Divulgação

Perdas familiares motivam e jornalista se torna designer de sucesso em MS

Graziela hoje concilia jornalismo com o empreendimento no mercado das "bijous"

As idas e vindas nas casas de aviamentos da região central de Campo Grande traziam muito mais do que botões, linhas e zíperes. Representavam o início de um grande sucesso. Quando perguntava sobre o troco, a avó sabia que, ao invés de chicletes ou brinquedos, o dinheiro havia sido usado para a compra de pedrarias. O gosto pelo bordado parecia ter sido repassado para a neta, mesmo sem ser notado.  Era década de 90, quando a menina de nove anos começou a se aventurar pelo "mundo" das miçangas, canutilhos e vidrilhos.


Essa é uma pequena introdução sobre a vida da professora de inglês, jornalista e agora designer, Graziela Rezende, 31 anos. Em busca de refúgio para o sofrimento por causa da perda de importantes pessoas, ela se inspirou e mergulhou de cabeça no mercado das bijouterias, feitas à mão e com muita criatividade.


Graziela conta que trabalha com as peças desde criança e os ensinamentos deve à avó: a dona Irene, que atuava como costureira. Tempos depois de apenas observar o trabalho da vózinha,  "Gabiola", como Graziela era chamada na época, recebeu um desafio.

 

"Uma das clientes encomendou diversos ternos. Todos com a gola bordada. A cliente Adriana - até hoje me lembro o nome dela, tinha muita confiança no trabalho da minha avó e vivia levando peças para ajustes. Foi aí que a dona Irene teve a ideia de pedir ajuda da neta nas encomendas", relembra.


Mesmo receosa, dona Irene entregou a gola de um terno preto nas mãos da neta. "Tudo aconteceu naturalmente. Ela nunca me cobrou nada. Eu chegava da escola, fazia minhas atividades e então pegava as minhas pedrinhas para bordar algumas vezes, intercalando com as brincadeiras de bonecas", relembrou.

 

Divulgação

gra

Designer de peças são encantadores

PRIMEIRA CONQUISTA
Grazi, como hoje é carinhosamente conhecida, recorda que a primeira compra que fez com o dinheiro conquistado com o trabaho foi uma calça jeans. Com ajuda de uma tia que vendia os produtos em seu trabalho, a empreendedora conseguiu dinheiro suficiente e comprou a roupa tão desejada.


Até a faculdade, Graziela pagou com as peças produzidas por ela mesma. “Outras paixões foram chegando. Tornei-me professora de inglês, aos 19 anos. Além disso, me formei jornalista e parte do custeio das mensalidades ocorreu com a venda das minhas peças. Eu usava e minhas colegas pediam iguais", disse.


Graziela ainda ressaltou que, pouco antes da formação acadêmica, teve a oportunidade de morar em São Paulo. "Foi nessa época que iniciei meu estoque. Comprei muitas peças, alicates e colas na 25 de Março. Aprendi com o erro. Uma vez tive prejuízo enorme ao colar strass com uma cola parecida com super bonder", lamentou a recordação.


PERDAS
Depois de anos de dedicação e reconhecimento pelo aprendizado, Grazi perde a avó. Seis meses depois, o marido.  A tristeza, o silêncio e os pensamentos precisavam de uma motivação e, foi neste momento, que Graziela decidiu empreender. "Eu precisava ocupar a minha cabeça de alguma forma e então voltei a fazer minhas peças. Mas, desta vez, decidi que queria ser a melhor do ramo, ser uma empresária de sucesso. Minha outra paixão é o jornalismo então sempre fui conciliando as coisas", explicou.


Começou a estudar sobre cores, ferragens, pedrarias, tipos de couro, ferramentas e tendências da moda. "Eu lia e ainda leio blogs de moda diariamente para ver o que está na moda. Além disso, pesquiso sobre cores, tendências, linguagem na internet e melhor qualidade aliada ao preço para que isso também chegue no resultado final para o cliente", ressaltou.

 

Divulgação

gra25

Variedades fazem sucesso

Entre outros "segredinhos", Graziela fala que buscou inovar realizando eventos diferenciados. A empresa também fez coleções para o Carnaval, formaturas e os "chockers das profissões", que estão fazendo o maior sucesso. "Fizemos dois bingos de bijuterias muito divertidos, com sorteios e desfile. Em todos estes momentos, busquei parceiros, patrocínios, tudo para agradar o público. É uma dedicação diária ao negócio, que só quem tem paixão pelo que faz pode oferecer", avaliou.

 

Em mais uma aposta da empreendedora no alcance do sucesso,  a loja  “Grazzistore”, foi inaugurada. As peças que antes eram ofertadas em uma maleta, agora embelezam uma vitrine. "O local possui peças para atender todos os gostos. Colares exclusivos de pedra natural, brincos de todos os tamanhos, peças masculinas de pedra vulcânica, olho de tigre, entre outros", finalizou. A loja“Grazzistore”  loja fica na rua Antônio Maria Coelho, 1315.

2 COMENTÁRIOS:

Parabénsss...Que Deus te Abençoe Grandemente...Eu tbm Amo fazer Bijoux...Pois tudo feito com as mãos e Amor é uma terapia...
enviado por: Josy Gutierrez em 16/08/2017 às 21:50:40
2
 
0
responder
A força da fé reverte qualquer situação. Foi pela fé que Abrahão, pai de todas as religiões pelegrinou pelo deserto, de tenda em tenda, conduzindo sua família, e venceu. Essa criatura, com certeza, vencerá
enviado por: Odilon de oliveira em 13/08/2017 às 13:29:08
4
 
0
responder

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix