Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 19 de Fevereiro de 2018 | 08:15
27˚
(67) 3042-4141
Rural
Quarta-Feira, 14 de Fevereiro de 2018, 15h:30
Tamanho do texto A - A+

Famílias comemoram casa própria de alvenaria no campo

982 famílias em todas as regiões de Mato Grosso do Sul já foram atendidas pelo Programa Nacional de Habitação Rural

Esthéfanie Vila Maior
Capital News

Edemir Rodrigues / Governo de MS

Famílias comemoram casa própria de alvenaria no campo

No assentamento Ouro Branco, em Terenos, onde 20 famílias foram contempladas.

Mais de 11 mil moradias destinadas a pessoas de baixa renda com dificuldades de acesso à casa própria, inclusive da zona rural, foram entregues de 2015 até agora. 982 famílias em todas as regiões de Mato Grosso do Sul já foram atendidas pelo Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR). As casas de lona e madeira foram substituídas por residências de alvenaria com luz elétrica, instalações sanitárias e água encanada.

 

No assentamento Ouro Branco, em Terenos, 20 famílias foram contempladas no ano passado.  “Isso aí pra mim não é uma casa, é um castelo”, comemora a assentada Marta Benites Gonçalves, de 56 anos, que após morar 12 anos em um barracão recebeu uma casa de alvenaria.

 

Água encanada

A falta de água encanada e condições sanitárias ofereciam risco à saúde de muitas famílias. 

Gregória Duarte, de 52 anos, conta que buscava água no açude para beber e cozinhar. Para tornar potável a água que era compartilhada com os bois, o marido buscava na Prefeitura misturas que eram adicionadas antes de beber e do preparo dos alimentos. O restante da rotina, inclusive os banhos, era todo feito com a água sem nenhum tratamento. 

 

As casas entregues tem dois quartos, sala, cozinha, varanda e acabamento em azulejo na cozinha e banheiro, além do sistema de água e instalações sanitárias.

 

Critérios

Os assentados também contaram com o apoio da Cooperativa de Habitação da Agricultura Familiar (Coophaf) no processo de inclusão no programa do Governo Federal. Entre os critérios para enquadramento estão idoneidade cadastral e renda familiar bruta anual inferior a R$ 17 mil. No caso de quem vive em assentamentos, é necessário ser o beneficiário originário e possuir documentação regulamentada junto ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), como o Contrato de Cessão de Uso (CCU).

 

Além das casas do assentamento Ouro Branco, em Terenos, outras 1.032 unidades foram construídas em áreas rurais de todo o Estado.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix