Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 18 de Outubro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Quinta-Feira, 19 de Setembro de 2019, 12h:33
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Pessoas casadas têm mais chances de sobreviver a um infarto

Por Pérola Cattini

Da coluna Bem-Estar
Artigo de responsabilidade do autor

Benefícios do casamento foram comprovados em estudo com quase 1 milhão de pessoas no Reino Unido

Divulgação

ColunaBem-Estar

Uma pesquisa realizada com mais de 925 mil pessoas adultas trouxe um dado surpreendente a respeito da saúde cardíaca da população. Segundo o estudo, uma aliança no dedo pode diminuir os riscos de morte em casos de infarto – especificamente 14% a mais de chances de sobreviver a um infarto do miocárdio em relação a pessoas não casadas.

O casamento também tem outras vantagens para a saúde. Ainda de acordo com a pesquisa, a vida conjugal aumenta as chances de sobreviver a problemas de saúde decorrentes do diabetes em 14%, assim como do colesterol alto (16%) e pressão alta (10%).

Os dados estudados dizem a respeito a prontuários de pacientes com esses problemas que deram entrada em hospitais e clínicas da Inglaterra entre o ano de 2000 a 2013.

Casamento como terapia
Estudiosos ressaltam a “importância terapêutica” do casamento, uma vez que compartilhar sua vida com outra pessoa propõe maior apoio físico e emocional. Além disso, a vida a dois traz uma rotina mais saudável e a possibilidade de realizar o tratamento adequado conforme a necessidade de cada doença.

Os benefícios de compartilhar sua vida com um cônjuge já eram conhecidos da medicina, mas esta foi a primeira vez que um estudo tão grande foi feito, comprovando a eficácia do método.

O estudo também mostrou que o divórcio, por outro lado, pode aumentar os riscos de morte para quem já possui pressão alta, diabetes e outras doenças crônicas.

Porém, os médicos alertam: é necessário ficar de olho na saúde. Para quem já possui fatores de risco, é importante seguir uma vida saudável, com alimentação balanceada e atividades físicas, além de manter o acompanhamento com um médico especialista, principalmente no caso de doenças cardiovasculares sem sintomas.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix