Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 08 de Abril de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Domingo, 01 de Dezembro de 2019, 12h:12
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Leilão de imóveis: como funciona?

Por Letícia Emori

Da coluna Casa e Decoração
Artigo de responsabilidade do autor

Saiba mais sobre essa modalidade de compra de imóveis

Divulgação

ColunaCasaEDecoração

Muitos brasileiros ainda sonham com a possibilidade de fugir do aluguel e conseguir adquirir um imóvel próprio. As políticas públicas de moradia nos últimos anos permitiram que muitas pessoas pudessem ter acesso a financiamentos com juros mais baixos. Entretanto, o acesso facilitado ao crédito fez com que os imóveis subissem de preço, e a crise mais recente, com a alta do desemprego, aumentou os índices de inadimplência e tornou a opção de financiamento algo mais distante para muitos brasileiros.

Porém, isso não significa que a possibilidade de adquirir um imóvel deva ficar para depois. O leilão de imóveis é uma alternativa mais econômica para quem deseja comprar um imóvel para morar ou investir.

O leilão é uma venda pública que permite que qualquer pessoa, tanto física, quanto jurídica, acima dos 18 anos, possa participar. O vencedor do leilão, que será o comprador do imóvel ou de outros bens que estejam sendo leiloados, é o participante que fizer o maior lance acima do que foi estabelecido como lance mínimo para cada lote ofertado.

Existem basicamente dois tipos de leilão: o judicial e o extrajudicial. No leilão judicial, o imóvel está sendo leiloado para quitar uma dívida cobrada em juízo, ou seja, o imóvel está sendo vendido por uma decisão judicial.

Já no caso do leilão extrajudicial a venda do imóvel pode acontecer por diversos motivos. Seja por uma pessoa física, jurídica ou instituição bancária, ou ainda para a alienação fiduciária, que nada mais é do que um recurso para substituir a hipoteca. Normalmente, isso corresponde ao não pagamento de um financiamento bancário ou das parcelas de um imóvel comprado diretamente com uma construtora. Isso acontece porque nessas duas situações o imóvel é oferecido como uma garantia para a instituição financeira.

O leilão Santander, por exemplo, oferecerá os bens em posse da instituição que deverão ser arrematados, a fim de quitar esses débitos do primeiro dono.

Leilão é uma opção segura

Muitas vezes, o imóvel é vendido pelo valor da dívida ou parte dela. Dessa forma, ele tem um lance mínimo muito menor do que se ele fosse vendido no mercado imobiliário convencional.

Ou seja, trata-se de uma opção bem mais econômica para quem deseja adquirir o imóvel próprio. Os preços baixos, entretanto, costumam fazer com que muitas pessoas se sintam inseguras. Porém, não há qualquer motivo para esse sentimento, uma vez que o leilão de imóveis acontece dentro do que é acordado pelas instituições.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix