Campo Grande/MS, Sábado, 11 de Julho de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Sábado, 27 de Junho de 2020, 12h:32
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Conheça as características das principais bancas de concursos

Por Débora Ramos

Da coluna Educação e Carreira
Artigo de responsabilidade do autor

Saber quais são as diferenças entre os examinadores é um dos passos importantes para a aprovação

Divulgação

ColunaEducaçãoECarreira

A divulgação da banca de avaliação dos concursos públicos é um dos processos mais esperados, junto com a publicação do edital. Os participantes mais experientes sabem que conhecer as características de quem avalia é importante para conseguir se preparar para a aprovação e entender se algo é bom ou ruim para o seu desempenho, de acordo com a visão da banca.


Isso porque, mesmo que dois concursos tenham editais parecidos, a forma como as provas são desenvolvidas e os assuntos cobrados pode ser distinta, já que cada banca adota seu próprio critério de pontuação e pesos de notas.


"Para vencer as bancas, é necessário conhecê-las profundamente, traçando um minucioso estudo de suas características, pensamentos, peculiaridades e preferências”, explica o diretor do Gran Cursos Online, Wilson Granjeiro.


Para ele, conhecer a banca avaliadora é tão importante quanto as etapas de estudo. "A preparação de um candidato para concurso público exige não apenas conhecimento das matérias de prova, determinação férrea para estudar até o último momento e foco absoluto na meta da aprovação. É preciso que ele conheça também a banca que vai aplicar a prova e como ela costuma abordar cada uma das disciplinas que farão parte do concurso", declara ele.


O país possui diversos concursos organizados. Neles, há organizações mais simples e mais complexas. Veja abaixo as características das cinco principais bancas do Brasil.

1.    Fundação Carlos Chagas (FCC)
A Fundação Carlos Chagas é responsável pela organização de concursos federais, estaduais e municipais, principalmente na área jurídica. Nas provas realizadas pela FCC, o concurseiro encontra pedidos objetivos, mesmo que o texto das questões seja longo.


Essa característica é vista tanto na parte que diz respeito às leis, quanto ao que é cobrado acerca do conhecimento da língua portuguesa. Normalmente, as perguntas pedem a escritura literal da lei ou a forma correta da escrita de uma frase, com foco principal na gramática. Questões de interpretação de texto não são usuais.

2.    Fundação Getulio Vargas (FGV)
Popularmente conhecida, a Fundação Getúlio Vargas é a organizadora dos concursos das câmaras municipais, da Polícia Civil do Rio de Janeiro e das secretarias. Também é a banca responsável pela prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).


Para especialistas da área, é uma das bancas mais imprevisíveis, já que a cada ano suas exigências mudam. Normalmente, cobram uma ação mais prática na parte de direito, com resolução de casos e aplicação da lei. Em português, mesclam questões de interpretação de texto e análises gramaticais.
O modo mais simples de se sair bem em um dos concursos organizados pela FGV é estudando com base em provas antigas e no edital lançado.

3.    Vunesp
A Vunesp é responsável pela organização das provas para a Polícia Civil paulista, tribunais de justiça, Cetesb, prefeituras paulistas e Detran. Nos concursos, a banca tende a ser tranquila, mesmo que esteja tentando complicar um pouco.


A parte de português cobra conteúdos mais analíticos em conjunto com exigências ortográficas. Quanto à área jurídica, o texto da lei é pedido. Por isso, é possível se preparar através da resolução de questões antigas, com foco no aprendizado das leis e das regras gramaticais.

4.    Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe)
Responsável pela banca dos concursos do Banco do Brasil e de um dos cargos do Banco Central, o Cespe é o grupo avaliador mais temido pelos concurseiros.


A elaboração e apresentação de questões elimina as chances de chutes e de cola, já que, para cada pergunta, há duas opções: certo ou errado. Em caso de dúvida, é possível deixá-la em branco. O método de correção elimina um acerto a cada erro encontrado e anula as questões com erros de preenchimento.


O conteúdo é cobrado de forma a potencializar a interpretação, análise e contextualização de dados pelos candidatos. Assim, não basta apenas decorar os materiais ou leis para ir bem nos concursos do Cespe. Para não perder muito tempo, é importante treinar a leitura, já que os enunciados tendem a ser longos e detalhados.

5.    Fundação Cesgranrio
A Fundação Cesgranrio normalmente produz os exames da Petrobras, de bancos, do IBGE e da Liquigás. Esta banca é reconhecida como uma das mais metódicas da área, com as provas separadas por matérias. Há uma mescla entre as exigências da FCC – com conteúdos que visam a interpretação de textos e a contextualização dos dados – e do Cespe, mas sem a complexidade encontrada neste último.


Para ir bem nesses concursos, é importante praticar os conteúdos das provas anteriores e treinar a interpretação de textos, assim como a leitura.

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix