Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 23 de Setembro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Domingo, 26 de Janeiro de 2020, 07h:29
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Congresso paga até R$ 35 mil a filhas solteiras de parlamentares e ex-servidores

Por Marco Eusébio

Da coluna Entrelinhas da Notícia
Artigo de responsabilidade do autor

Ana Volpe/Agência Senado

ColunaMarcoEusébio

Congresso paga R$ 30 milhões por ano a filhas solteiras de ex-servidores e parlamentares com base em lei de 1958

A Câmara e o Senado pagam até R$ 35 mil em pensões mensais a filhas solteiras de ex-parlamentares e ex-servidores. O antigo privilégio previsto em lei de 1958 sancionada pelo então presidente Juscelino Kubitschek foi derrubado em 1990, mas é mantido para quem já recebia a pensão e atende até hoje 194 mulheres custando R$ 30 milhões por ano, informa o Estadão. Pelos critérios do Congresso, a pensão deve ser paga até a filha se casar, ter união estável ou conseguir um emprego público permanente. Pensões para filhas solteiras não são benefícios exclusivos do Legislativo, e também são pagas pelo Executivo e o Judiciário. Até 2014, a despesa somava R$ 2,2 bilhões, incluindo civis e militares. Em 2016, o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou 19 mil pagamentos suspeitos em 121 órgãos federais ao investigar denúncias sobre beneficiárias da Câmara que tinham atividades remuneradas nos setores público e privado. Pensões foram suspensas, mas na prática pouca coisa mudou, porque as mulheres apelaram ao Supremo e foram atendidas pelo ministro Edson Fachin, que suspendeu o acórdão do TCU em setembro do ano passado e manteve a interpretação original da lei que diz que só perde o benefício a que casar ou assumir "cargo público permanente", lembra o Estadão.

 

 

LEIA A COLUNA DE HOJE CLICANDO AQUI EM MARCO EUSÉBIO IN BLOG

 

 



 


 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix