Campo Grande/MS, Terça-Feira, 17 de Setembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Colunistas
Sexta-Feira, 09 de Agosto de 2019, 12h:11
Tamanho do texto A - A+
Colunistas

Overture: o avião supersônico que deve ter peças feitas por impressoras 3D

Por Gustavo Torniero

Da coluna Tecnologia
Artigo de responsabilidade do autor

Projeto da startup estadunidense Boom deve levantar voo em 2020 e ter aeronave pronta daqui a quatro anos

Divulgação

ColunaTecnologia

A startup estadunidense Boom Supersonic tem um sonho ambicioso: transformar viagens de aviões supersônicos reais. A ideia da empresa é construir uma aeronave de passageiros capaz de voar a 2,7 mil km/h (Mach 2.2). Com essa velocidade, uma viagem de Roma a Pequim duraria quatro horas -- e não as oito atuais, e um voo entre Nova York e Paris levaria cerca de três horas.

Os desafios técnicos, no entanto, abundam sobre todo o processo de engenharia da produção da aeronave. O Concorde, último avião supersônico a levantar voo no mundo, permanece um produto prejudicado pelos altos custos por assento e pela disponibilidade limitada de viagens por causa da poluição sonora. A Boom, no entanto, mantém o discurso de que pode tornar as viagens nesse tipo de avião mais baratas: ainda assim, os bilhetes só seriam comprados por pessoas ricas, já que custariam cerca de US$ 5 mil (R$ 20 mil).

O Concorde teve seu prestígio emprestado pelos dois países que fizeram o projeto acontecer: a estadunidense Boeing e a francesa Airbus. A Boom está apostando agora que pode superar a tecnologia das duas gigantes da aviação mundial por meio do sistema da Stratasys, uma empresa de fabricação de componentes industriais por meio de impressão 3D. A ideia é que o Overture, o primeiro modelo supersônico da Boom, tenha parte de suas peças impressas pelo sistema Stratasys F900 Fortus. A startup já usa o Fortus para fazer partes do XB01, o projeto-piloto do Overture cuja escala é de um terço do tamanho original -- e que deve levantar voo ainda neste ano.

"Sendo capaz de imprimir partes fundamentais e componentes ao invés de comprá-los de fornecedores permite que a gente crie peças customizadas, aumentando a velocidade da engenharia e da manufatura e foque em construir uma aeronave que satisfaça nossa ideia original", disse Mike Jagemann, head da Boom para o XB-1, ao site 3D Print.

"Durante os três primeiros anos de nossa parceria, nós imprimimos mais de 300 peças em 3D, economizando centenas de horas de jornadas de trabalho e permitindo uma interação rápida entre os ciclos de design, por exemplo", completou.

Depois do XB-1, a Stratasys espera que as peças impressas em 3D sejam parte do supersônico Overture. "Construir uma aeronave que pode viajar de forma segura e eficiente no Mach 2.2 requer uma nova abordagem aos processos de manufatura. Agora estamos prontos para ir além -- para produção poderosa, durável e eficiente de partes aeronáuticas", finalizou o presidente da Stratasys, Rich Garrity.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix