Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 21 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Cultura e Entretenimento
Domingo, 20 de Setembro de 2020, 12h:45
Tamanho do texto A - A+

Coletivo Pandoras chega a Mato Grosso do Sul

Apresentações vão acontecer em Campo Grande e em Dourados

Elaine Silva
Capital News

Erika Mariano

Coletivo Pandoras

Espetáculo vai acontecer em duas cidades

O Coletivo Pandoras chega a Mato Grosso do Sul, com uma união da artes cênicas e debates sobre o universo feminino. As apresentações acontecem em Campo Grande no dia 26 de setembro e em Dourados em 03 de outubro. 

 

Em razão da pandemia, o projeto que seria de circulação presencial em cidades das regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste, acontecerá em 13 diferentes canais virtuais de exibição em cada uma das localidades, envolvendo para isso uma rede de produtoras e produtores culturais de cada localidade, além de organizações sociais e coletivos artísticos. Em Campo Grande a produção local é do Circo do Mato e em Dourados, do Sucata Cultural. Conforme a assessoria o projeto foi lançado em Goiás e as apresentações passam por 13 cidades do Tocantins, Bahia e Mato Grosso do Sul.

Erika Mariano

Coletivo Pandoras

Em Dourados evento acontece em outubro

 

Após cada exibição dos espetáculos haverá um debate (via live), sempre com figuras de destaque, integrantes do projeto e moradores de cada uma das regiões. Em Campo Grande, a convidada será a artista contemporânea Laura Anderson Barbata – mexicana radicada em Nova Iorque, que vai abordar “Os corpos das Mulheres e o poder exercido sobre”.  Já em Dourados, a live será com Ermínia Silva – doutora em História, co-coordenadora do Grupo Circus na Unicamp e autora de obras relevantes sobre circo.

 

Pastrana é um espetáculo de lambe-lambe que se apropria da história da Monga - A Mulher Gorila, muito popular em feiras e circos Brasil afora, para sintetizar a história de Júlia Pastrana. Já “A Visita de Chico” remonta o imaginário da mulher moderna, que lida com a vida cotidiana e recebe a inesperada e apaixonante visita de Chico, quando tem que dar conta de um amor que é uma representação e da sociedade, que não aceita o corpo feminino como ele é.

 

Em Campo Grande, a ação conta com apoio do produtor cultural Anderson Lima, que destaca o pioneirismo do projeto, que se adaptou à realidade imposta pela pandemia de Covid-19.

 

O projeto é realizado pelo coletivo Pandoras, correalizado pela Cultivo Projetos e Soluções Criativas e Círculo Filmes. Apresentação Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, Secretaria de Estado da Cultura.

 

Espetáculos 

Em Pastrana, o truque original da Monga, personagem que se transforma em gorila por conta de um efeito ótico de luz é desconstruído, invertendo a ordem as imagens e dos signos. Ao invés de começar com a mulher se transformando na monga, na caixinha de lambe-lambe, Julia, a mulher gorila, entra primeiro e se transforma em uma ‘monstra’ dentro dos padrões sociais: moça, branca, loira e com os seios siliconados, performando o ‘padrão europeu’.

 

Já o espetáculo “A visita de Chico” mescla circo com a história de Soldara, uma palhaça que se veste de homem para ganhar a vida como artista de circo. Ao final de cada apresentação, ela retorna à sua casa, emaranhada às exigências da profissão, do corpo e dos projetos de vida, contudo, com seus encantos e desajustes, segue com a pacata vida com imaginação, até se apaixonar, mas o tenro romance é acometido por uma circunstância indesejada, da qual Soldara se envergonha e foge.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix