Campo Grande/MS, Sábado, 07 de Dezembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Economia
Sexta-Feira, 06 de Setembro de 2019, 11h:09
Tamanho do texto A - A+

Tereza Cristina ressalta o potencial econômico bilateral com a Europa

Também comentou sobre a sustentabilidade na Amazônia

Laryssa Maier
Capital News

Antonio Araujo/Mapa

Tereza Cristina ressalta o potencial econômico bilateral com a Europa

Tereza Cristina afirmou que trocas comerciais entre os dois países podem ser ainda maiores

Nesta quinta-feira (5) a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), afirmou que a intenção do governo é fortalecer o comércio com os Estados Unidos. Em sua participação na Latin American Cities Conference 2019: Brasília, ela disse que propósito é ampliar as trocas comerciais e diversificar a pauta, de modo que seja benefício para os dois países.

 

Tereza, também lembrou os investidores, que os EUA é o segundo principal destino das exportações brasileiras e também a segunda origem das importações.

 “Temos uma relação equilibrada em termos de trocas comerciais, e que pode ser ainda maior”. Segundo a ministra, o comércio bilateral somou quase US$ 58 bilhões em 2018, mas os produtos agrícolas representaram apenas US$ 5 bilhões. 

 

Ministra também comentou sobre o trabalho realizado pelo governo federal para garantir a sustentabilidade na Amazônia. Ela esteve na região e comprovou a efetividade da Operação Verde Brasil, plano de ação de combate às queimadas.

 

“Não é correto associar as queimadas na Amazônia com a produção de alimentos. É preciso identificar e punir os verdadeiros culpados. A preservação ambiental é uma preocupação do país e dos produtores rurais. Ao mesmo tempo em que buscamos aumentar nossa produtividade agrícola, desenvolvemos políticas e mecanismos para proteger o meio ambiente”, afirmou.

 

Um dos mecanismos citados por ela, para demonstrar a preocupação do Brasil com o meio ambiente foi o Código Florestal brasileiro, que exige a preservação de no mínimo 20% da área das propriedades rurais, chegando a 80% de restrição de uso de solo na Amazônia Legal.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix