CapitalNews

Segunda-Feira, 27 de Julho de 2020, 14h:15

Pandemia afeta a qualidade do sono da população

Da Redação

Depois de mais de quatro meses de pandemia, é muito difícil encontrar uma pessoa que ainda não teve o sono afetado pela situação que estamos passando. As queixas são diversas: insônia, horários desregulados e sonhos muito estranhos. Uma pesquisa realizada por estudantes da UFRGS, em parceria com a Fiocruz, uma universidade espanhola e uma canadense, mostrou em números o estrago causado no sono dos brasileiros.


De acordo com o estudo, que tinha como objetivo analisar os hábitos cotidianos durante a pandemia, 50,3% dos brasileiros perceberam alterações significativas na qualidade do sono. Vale lembrar que as entrevistas foram realizadas em abril e maio, um pouco antes do pico da pandemia no país, contexto que já era suficiente para mudar o sono de mais de metade da população.


A insônia está entre os quadros mais comuns. Ela, muitas vezes, é um sintoma da ansiedade, transtorno emocional que está crescendo consideravelmente durante a pandemia, por conta da intensa preocupação e estado de medo da Covid-19. O pensamento focado na doença, aliado ao estresse do confinamento, também pode ser decisivo para causar os sonhos estranhos e perturbadores, muito relatados neste período.


Mesmo antes do coronavírus, o sono já era um grande problema dos brasileiros. Mais de 73 milhões de pessoas em nosso país apresentavam algum distúrbio, incluindo alguns mais leves, como o ronco.


Como dormir melhor na pandemia
Se você faz parte do grupo que percebeu alterações na qualidade do sono, há uma série de dicas que podem ser seguidas para melhorar esta situação. A primeira dela está relacionada à maneira como dormimos. Em um período tão complicado, repleto de estresse e preocupações, é ainda mais importante contar com uma cama e um colchão adequados. O travesseiro também é fundamental para a qualidade do sono e não pode ser ignorado.


Para quem está sofrendo de insônia, uma boa dica é a prática de exercícios caseiros. Eles ajudam a cansar o corpo e ainda liberam hormônios ligados ao bem estar, o que pode aliviar os sentimentos que impedem de dormir bem. No entanto, não é recomendável fazer exercícios logo antes de dormir, pois isso pode atrapalhar ainda mais a qualidade do sono.


Além disso, mantenha a alimentação leve durante a noite. Comer alimentos pesados ou se alimentar logo antes de ir deitar atrapalha terrivelmente o sono. O ideal é ter a última refeição pelo menos três horas antes de ir para a cama.


A qualidade do sono também passa muito por um hormônio, chamado melatonina. A luz atrapalha a secreção deste hormônio, que ajuda a relaxar e dormir bem. Por isso, tente não levar o celular para a cama. Além de colaborar na liberação da melatonina, isso também ajuda a se manter afastado de notícias preocupantes logo antes de dormir.


Fonte: CapitalNews

Visite o website: wwww.capitalnews.com.br