Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 10 de Agosto de 2022 |
27˚
(67) 3042-4141
Nacional
Segunda-Feira, 14 de Março de 2022, 16h:25
Tamanho do texto A - A+

Semana deve ser de chuvas intensas em diversas regiões, diz Inmet

No Sul, Paraná e Santa Catarina deve registrar as maiores chuvas, enquanto estiagem pode seguir no RS

Rogério Vidmantas
Capital News

Saul Schramm/Portal MS

Temperaturas começam a cair em MS

Regiões do MS também pode ter tempo instável

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu nesta segunda-feira (14) alerta meteorológico de chuvas intensas em diversas regiões do país. Segundo o órgão, as regiões Norte, Centro-Oeste, Sudeste e alguns estados do Nordeste foram classificados como risco laranja de perigo, e devem ficar atentos à possibilidade de volume de chuvas acima do esperado.  

 

Na Região Sul, parte dos estados do Paraná e Santa Catarina está em alerta amarelo para chuvas. A classificação significa que o volume de precipitação pode variar entre 20 e 30 milímetros (mm) por hora, com acumulado diário de até 50 mm. Os ventos podem variar entre 30 a 40 quilômetros por hora (km/h), e não devem passar de 50 km/h.

 

A escala de perigo de chuvas do Inmet é composta por três tipos de alerta: o amarelo, o laranja e o vermelho. Entre os apresentados hoje - amarelo e laranja -, a principal diferença é a possibilidade de granizo e a intensidade dos ventos, que podem causar fortes rajadas. O Rio Grande do Sul, que atualmente passa por um período de estiagem e registrou temperaturas recordes em fevereiro, não teve alerta emitido.

 

A classificação amarela também identifica como baixos os riscos de interrupção no fornecimento de energia elétrica, de queda de galhos de árvores, de alagamentos e de descargas elétricas.

 

Segundo explica a meteorologista Andrea Ramos, a grande influência das Zonas de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) e o fenômeno La Niña são os responsáveis pelo excesso de chuvas em quase todo o território do Brasil.

 

“Este verão foi um dos mais chuvosos dos últimos anos. Tivemos a atuação de vários sistemas que causaram a sensação de deslocamento da temporada de chuvas, que ficaram bem acima da média. Apesar de o verão encerrar no próximo domingo (20) e se iniciar o outono - marcado pela queda de temperatura e clima mais seco -, podemos esperar mais chuvas até o fim de março”, explicou.

 

Em fevereiro, além da tragédia em Petrópolis, cidades do Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará e São Paulo também registraram recordes de precipitação. Goiânia teve o fevereiro mais chuvoso dos últimos 85 anos, segundo o levantamento do Inmet.

 

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix