Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Sábado, 14 de Setembro de 2019, 07h:00
Tamanho do texto A - A+

Explorando os cinco sentidos no ponto de venda

Por Natiele Krassmann*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Assim como o consumidor mudou, o ponto de venda evoluiu. O local, que antes era considerado um "armazenamento" de produtos ou serviços, passou um ponto de experiência do cliente com o propósito da marca e do negócio. A atenção deles é agora despertada e conquistada não só pela qualidade do item comercializado naquele local, mais por meio de todos os sentidos, individualizados em importância – há quem seja mais visual, mais auditivo ou olfativo.

Divulgação

Natiele Krassmann - Artigo

Natiele Krassmann


Nesse sentido, vale explorar na loja o maior número de ofertas para todos esses estímulos, a fim de captar mais clientes, e, realmente, proporcioná-los a melhor experiência, com grande atenção ao detalhe, ou aquele mínimo, que pode aumentar ou destruir a admiração e confiança no negócio. O desleixo, falta de cuidado e coerência do marketing com a oferta no PDV, mau atendimento, por exemplo, são fatores que afastam pessoas daquele local e prejudicam a imagem e o faturamento.

Tendo em mente que tudo comunica, o mobiliário, a iluminação, a disposição dos produtos, o contato com os atendentes, as cores escolhidas para compor o local, o som ambiente devem formar a credibilidade da empresa, tornando-se fatores determinantes para formar fãs e pessoas que admirem o negócio, seja ele de que tamanho ou setor for.

Colocar uma playlist com músicas que remetam a infância numa loja cujo foco é entretenimento infantil, faz todo o sentido, por exemplo; assim como montar uma história com "passos" a serem seguidos para uma viagem e experiência única do consumidor na compra do seu produto; que terá um aroma caraterístico presente no PDV – criado, especialmente, com esse fim.

Tudo faz parte do encantamento e do envolvimento com seu cliente, fazendo-o imergir naquela situação na melhor. Pensar e viver aquela compra ou usufruto do serviço deve ser um momento único, em que a pessoa só viverá naquele local. É necessário manter a singularidade, a curiosidade e os sentidos que vão despertar boas memórias e sentimentos, e que trarão vontade de "quero mais".

Como é um ponto de experiência, tudo é válido para deixar experiência ainda mais incrível e converter em venda!

 

 

*Natiele Krassmann

Co-fundadora da Criamigos, graduada em administração pela PUC/RS

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix