Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 28 de Setembro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Terça-Feira, 15 de Setembro de 2020, 14h:57
Tamanho do texto A - A+

Pela manutenção do teto de gastos

Por Flávio de Azambuja Berti*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

O assunto relativo ao desequilíbrio orçamentário do Estado brasileiro acentua-se em momento no qual a pandemia que assola o país e o mundo tem agravado nossas carências e mazelas, com número crescente de contágios e de mortes, decorrendo daí reflexos críticos  como o agravamento da crise econômica, a redução do consumo de bens, o aumento do desemprego, a redução da atividade econômica e da arrecadação tributária.

Wagner Araujo/Divulgação

Flávio de Azambuja Berti - Artigo

Flávio de Azambuja Berti

 

A equação é impiedosa, já que, com menor arrecadação, inevitavelmente o déficit orçamentário aumenta, o que se dá justamente em momento no qual há urgência de mais gastos públicos, seja com ações imediatas de combate à Covid-19, ou com ações de proteção social e assistencial para a população, de modo tal que a equação não fecha e o socorro governamental torna-se insuficiente.

Se por um lado não se questiona a necessidade de maior presença do Estado em momento de crise sanitária e humanitária como a que se atravessa atualmente, por outro lado, não se pode descurar de assunto tão sério e premissa tão básica como a de não gastar mais do que se arrecada. É bem verdade que a solução encontrada pela maioria dos países em momentos como este é o aumento do endividamento público. Mas o que fazer diante de um contexto no qual tal endividamento já está nas alturas em decorrência de irresponsabilidade fiscal de sucessivos governos que acarretaram em crise sem precedentes?

Por certo, a melhor solução não passa por um subterfúgio populista de acabar com o chamado “teto de gastos” decorrente de recente Emenda Constitucional e que, na prática, significa algo óbvio: limitar as despesas públicas para evitar que o Governo gaste mais do que tenha capacidade de arrecadar e de pagar. Algo simples que todos aplicamos, ou tentamos aplicar, em nossa vida, em nosso orçamento doméstico. Não é o objetivo de comprar um automóvel novo importado ou de fazer uma viagem de férias dos sonhos ou de mandar um filho estudar no exterior que nos afasta da necessidade de manter o equilíbrio em nosso orçamento; ao contrário, são justamente objetivos como estes que impõem a nós a firmeza para mantermos o orçamento doméstico equilibrado, sem o que não só não alcançaremos tais objetivos como inclusive comprometeremos o pagamento de boletos e despesas usuais como o plano de saúde, o condomínio, o supermercado, etc.

Definitivamente, ainda que seja necessária flexibilização temporária durante este ano de 2020, em que as finanças estão em colapso em face da pandemia, o oportunismo político-eleitoreiro, o populismo e as falácias não podem se descurar da realidade: a necessidade de mantermos um mínimo de racionalidade orçamentária e fiscal.

 

 

*Flávio de Azambuja Berti

Mestre e doutor em Direito do Estado, procurador do Ministério Público de Contas do Paraná, coordenador da Pós-Graduação em Direito Tributário da e professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

 

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix