Campo Grande/MS, Domingo, 13 de Junho de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Domingo, 09 de Maio de 2021, 09h:53
Tamanho do texto A - A+

Senadores governistas tentam intimidar a CPI da Covid

Por Júlio César Cardoso*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

É lamentável que o senador Luís Carlos Heinze (PP-RS) tenha o desplante de tentar peitar o ex-ministro da Saúde Dr. Nelson Teich, na CPI da Covid, ao apresentar material de idoneidade duvidosa para justificar a eficiência de cloroquina.

Divulgação

Júlio César Cardoso - Artigo

Júlio César Cardoso

 

O senador Otto Alencar (PSD-BA) recomendou a vacina ‘antirrábica’ ao senador governista gaúcho e agrônomo, que estava bastante excitado ao defender de forma enfática o uso de cloroquina.    

Mesmo no ambiente da medicina existem profissionais charlatões que abandonam os princípios científicos para praticar a medicina dos curandeiros. E esses médicos charlatões existem em profusão.  

Diz a bula da cloroquina que ela é indicada para tratamento de malária e amebíase hepática. Logo, usá-la como procedimento precoce no tratamento do coronavírus é um grande risco e irresponsabilidade.  

O médico charlatão, deputado Osmar Terra (MDB-RS), defensor homérico de cloroquina, mesmo tomando as doses do veneno, como tratamento precoce, a droga não foi capaz de evitar a sua contaminação por coronavírus. E, neste caso, o que o senador Heinze tem a dizer?  

Hoje, dia 21/05, foi dramática a atuação na CPI do ministro da Saúde Marcelo Queiroga, que, fiel às orientações de seu chefe Jair Bolsonaro, respondia de forma reticente e tergiversante, evitando dizer se concordava com Bolsonaro sobre o uso de cloroquina.

Se o país seguisse as recomendações charlatânicas do presidente Bolsonaro para tomar cloroquina, como tratamento precoce, provavelmente hoje o número de mortos seria superior a 500 mil.  

O presidente Bolsonaro ridicularizou a pandemia de gripezinha e se juntou ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump, para desrespeitar as recomendações da OMS e deu no que deu.  

Brigou com governadores e prefeitos. Continua a apresentar-se em público sem máscara e debocha do distanciamento. Ofendeu e persiste em ofender a China, não foi previdente e responsável para logo manifestar interesse em comprar vacinas. Desprestigiou o ministério da Saúde, trocando sucessivamente ministros e colocou na pasta um general de coturno, estrategista militar e incompetente, para conduzir o ministério e que agora responde por seus atos na Justiça e na própria CPI da Covid.  

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse na CPI que o Planalto queria que a Anvisa alterasse a bula de cloroquina para recomendar a sua indicação para tratamento da Covid-19. Que grave irresponsabilidade e que merece ser apurada.  

A responsabilidade do governo com as consequências nefastas da pandemia no país deve ser apurada à exaustão. O presidente Bolsonaro priorizou a saúde da economia como estratégia de sua reeleição, e pouca importância deu com medidas positivas para frear a disseminação da doença.

 


*Júlio César Cardoso
Servidor federal aposentado
Balneário Camboriú-SC

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix