Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Sexta-Feira, 20 de Setembro de 2019, 18h:58
Tamanho do texto A - A+

Spike Lee à brasileira

Por Oscar D’Ambrosio*

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

A arte e a vida se mesclam de modo que não se torna possível fazer separações. Vi no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo, uma cena digna de reflexão do atual momento existencial que vivemos, em diversos aspectos, principalmente os sociais e os relacionados aos costumes. É curioso como um simples fato, se visto com atenção, pode nos interrogar profundamente.

Unesp

Oscar D'Ambrosio - Artigo

Oscar D'Ambrosio


Esperavam o farol abrir, em frente à faixa de pedestres, três pessoas e um cão. A moça, loira, de cabelos cacheados, se abaixou para carregar no colo um pequeno cão, com roupinha para protegê-lo do frio do final do dia. O casal negro, por sua vez, tinha uma filhinha que estava num carrinho de bebê.

Repentinamente, o rapaz começou, gritando, a fazer um discurso contra a moça que atravessava a rua com o cãozinho, dizendo que ela achava que cuidava melhor do seu cão do que ele cuidava de sua criança. A moça simplesmente ignorou a fala. Para completar, as pessoas ao redor mal repararam, cada uma olhando o celular, mergulhado nos bits e bytes da própria vida ou da alheia

Naquele momento, foi possível enxergar uma síntese de muitas das questões do Brasil, que vão desde as diferenças sociais às de cor e a de valores e interesses. O instante poderia ter sido criado por um cineasta como Spike Lee, que, em “Faça a Coisa Certa” (1989) e “Febre da Selva” (1991), foi capaz de realçar como pequenos fatos cotidianos são grandes pistas sociológicas.

A cena que vi tem justamente esse poder de nos fazer refletir sobre estereótipos e preconceitos e de como não podemos perder as referências em que acreditamos, principalmente no amor aos detalhes, pois é ali que se mostra como, acima do certo e do errado, está a capacidade de nunca perder a razão e a sensibilidade.

 

 

*Oscar D’Ambrosio

ornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix