Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 24 de Janeiro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Polícia
Quinta-Feira, 12 de Dezembro de 2019, 10h:32
Tamanho do texto A - A+

Adoção de menino maltratado será investigado

Juiz da comarca de Corumbá adotou medidas de urgência, suspendendo a guarda do casal

Elaine Silva
Capital News

 

Gerson Walber/OAB-MS

Adoção de menino maltratado será investigado

..

Após o menino de 8 anos, adotado em Corumbá, ser internado em razão de possíveis maus tratos por parte “pais” , o Desembargador Sérgio Fernandes Martins, Corregedor-Geral de Justiça do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, abre procedimento para apurar os fatos. Não impede que o processo de habilitação do casal para o cadastro de adotantes tenha tramitado no Estado do Paraná, como a adoção tramita em Mato Grosso do Sul, é necessário instaurar um procedimento. 

 

Reprodução/Tarobá News

Casal é preso por agredir filho adotado em MS

Último boletim médico divulgado pelo hospital aponta que o estado de saúde da criança é estável

Decisão foi tomada na tarde desta quarta-feira (11), quando o magistrado e o juiz auxiliar da Corregedoria Renato Antonio de Liberali reuniram-se com o advogado Elton Nasser, da Comissão da Criança e do Adolescente da OAB/MS, e com a secretária da Comissão Estadual Judiciária de Adoção (Ceja), Priscila Ricci. As deliberações foram registradas em ata. 

 

A Corregedoria agora deve verificar quais medidas podem ser adotadas para que o caso seja integralmente apurado, preservando sempre o bem estar e a segurança da criança. O juiz da comarca de Corumbá, Maurício Cleber Miglioranzi Santos, já adotou medidas de urgência, suspendendo a guarda do casal adotante.

 

Caso

Em Londrina, o casal acusado de torturar o filho que adotou há pouco mais de um mês no município de Corumbá, teve a prisão preventiva decretada na audiência de custódia da tarde desta segunda-feira (9). Mário César de Carvalho Pinto, advogado de defesa dos pais da criança, adiantou que deve entrar com pedido de revogação da prisão, já que os dois são réus primários, têm emprego e residência fixa. "Nós entendemos que houve um exagero, mas discordamos da tentativa de homicídio alegada pela Polícia Civil", afirmou o advogado.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix