Campo Grande/MS, Segunda-Feira, 26 de Outubro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Polícia
Segunda-Feira, 14 de Setembro de 2020, 09h:11
Tamanho do texto A - A+

Polícia Federal investiga queimadas no Pantanal

Estão sendo cumpridos 10 mandados de busca e apreensão

Elaine Silva
Capital News

Divulgação/Polícia Federal

Polícia Federal investiga queimadas no Pantanal

Operação foi deflagrada nesta segunda

 

A Polícia Federal, deflagrou nesta segunda-feira (14) a operação Mataá que apura responsabilidade criminal dos autores das queimadas na região do Pantanal em Mato Grosso do Sul.  Operação está acontecendo em Campo Grande e em Corumbá. 

 

Participam da fase ostensiva da operação 31 policiais federais, que cumprem 10 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Corumbá e Campo Grande/MS. Durante a deflagração foi realizada perícia nas áreas afetadas e oitivas dos envolvidos. As ordens judiciais foram expedidas pelo Juízo da 1ª Vara Federal de Corumbá/MS.

 

Por meio da análise de imagens de satélites e o sobrevoo das áreas, a Polícia Federal conseguiu identificar o início e a evolução diária dos focos de queimadas da região. Conforme a Polícia Federal, o dano ambiental apurado supera mais de 25 mil hectares do bioma pantaneiro, atingindo Áreas de Preservação Permanentes e os limites do Parque Nacional do Pantanal Mato- grossense e da Serra do Amolar. Durante a investigação, para chegar aos locais das queimadas localizados no interior do Pantanal, foram utilizadas aeronaves e embarcações da Polícia Federal.

 

Os investigados poderão responder pelos crimes de dano a floresta de preservação permanente (Art. 38, da Lei no 9.605/98), dano direto e indireto a Unidades de Conservação (Art. 40, da Lei no 9.605/98), incêndio (Art. 41, da Lei no 9.605/98) e poluição (Art. 54, da Lei no 9.605/98), cujas penas somadas podem ultrapassar 15 anos de prisão.

 

Nome 

Operação foi denominada “MATÁÁ”, que significa “fogo” no idioma guató, em referência aos índios pantaneiros Guatós que vivem nas proximidades das áreas atingidas.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix