Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 13 de Dezembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019, 17h:22
Tamanho do texto A - A+

Governo avalia Decreto Cota Zero e anima a Cadeia Produtiva da Pesca

Cerca de 16 Colônias de pescadores acamparam na frente da governadoria para pressionar o governo a revogar ou modificar o Decreto

Adriana Ximenes
Capital News

ALEMS

Governo avalia Decreto Cota Zero e anima a Cadeia Produtiva da Pesca

A advogada do Movimento Não a Cota Zero, Étila Guedes, informou na tribuna que os pescadores estão passando necessidades

Na manhã de terça-feira (12), cerca de 16 Colônias de pescadores acamparam na frente da governadoria para pressionar o governo a revogar ou modificar o Decreto 15.166/2019 que entra em vigor em janeiro de 2020. Estiveram presentes os representantes de Fátima do Sul, Naviraí, Coxim, Miranda, Anastácio, Corumbá, Nova Andradina, Angélica, Deodápolis, Taquarussu, Ivinhema, Glória de Dourados, Vicentina, Itaporã, Culturama e Anhanduí. Por volta das 09: horas da manhã os manifestantes lotaram os dois plenários e o saguão da Assembleia Legislativa, para pedir apoio dos parlamentares na interlocução com o Governo do Estado.

 

Após a decretação do “Cota Zero” para a pesca nos rios de Mato Grosso do Sul, as entidades pertencentes a Cadeia Produtiva da Pesca, realizaram dezenas de encontros e reuniões temática, sendo 12 audiências públicas nas regiões polos pesqueiras e de turismo no Estado. Criaram a FPESCA – Frente Parlamentar em Defesa da Pesca, sendo o deputado estadual Cabo Almi (PT) o seu coordenador.

 

A advogada do Movimento Não a Cota Zero, Étila Guedes, informou na tribuna que os pescadores estão passando necessidades e os pequenos empresários já somam mais de 60% de prejuízos. “Os pescadores profissionais estão sem trabalho, os amadores desapareceram das cidades e os empresários estão endividados. A cota zero só trouxe prejuízos e pedimos socorro. Defendemos uma nova legislação que preserve os rios, aumente o estoque de peixes, proteja a economia local, mantenha empregos e não criminalize os pescadores”, disse Étila.

 

Os pescadores querem que o Estado atenda o Ministério Público Federal, que recomendou a suspensão dos efeitos do Decreto Estadual temporariamente, até a aprovação de novo texto, resultante das atividades conjuntas de Grupo de Trabalho voltado para a transparência do debate, participação da população e grupos sociais afetados, pesquisa e levantamentos de dados técnicos.

 

Representantes dos pescadores e a Frente Parlamentar Estadual em Defesa da Pesca (FPESCA), coordenada pelo deputado Cabo Almi, se reuniram no final da manhã com o secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, e Jaime Verruck, Secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar para debaterem o assunto. “Desde o início deste ano, estamos realizando audiências públicas para discutir a Cota Zero. Vamos apresentar a situação dos pescadores para que seja revisto o Decreto”, afirmou Almi.

 

Na reunião na governadoria, os representantes da Cadeia Produtiva da Pesca foram recebidos pela primeira vez pelos representantes do governo e ouviram dos membros da comissão relatos que certamente acendeu a luz amarela, dado as incertezas que o impacto social negativo causará aos trabalhadores e empresários do setor pesqueiro e turístico do Estado.

ALEMS

Governo avalia Decreto Cota Zero e anima a Cadeia Produtiva da Pesca

Deputado Estadual Cabo Almi

Os deputados Cabo Almi (PT) e Renato Câmara (MDB) representaram a FPESCA e a Assembleia Legislativa na companhia da comissão de dez representantes da Cadeia Produtiva da Pesca. Ao final ficou acordado que o governo vai continuar dialogando para encontrar uma melhor solução até o dia 20 de dezembro, com o compromisso de responder os questionamentos do Ministérios Público Federal de Corumbá e reavaliar as medidas e algumas espécies de peixes proibidas de pelo Decreto, já a partir da abertura da pesca para 2020, entre outras medidas que serão analisadas no curso do tempo.

 

A comissão indicou a advogada Étila Guedes para ser a mediadora entre a Cadeia da Pesca e o governo do Estado. Os dois secretários de Estado, Eduardo Riedel e Jaime Verruck deixaram mito claro que a boa convivência vai prevalecer e o Decreto Cota Zero será reavaliado para atender os trabalhadores da pesca no Mato Grosso do Sul

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix