Campo Grande/MS, Domingo, 20 de Setembro de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Sábado, 07 de Dezembro de 2019, 08h:07
Tamanho do texto A - A+

Rodrigo Maia diz que dobrar Fundo Eleitoral não é exagero

Presidente da Câmara justifica dizendo que é a favor do financiamento privado, agora proibido

Rogério Vidmantas
Capital News

Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia

Maia diz defende que campanhas eleitorais possam receber financiamento privado

O Fundo Eleitoral destinado a financiar campanhas eleitorais em 2020 pode mais que dobrar de valor em relação às eleições de 2018. De R$ 1,8 bilhão, pode chegar a R$ 3,7 bilhões de acordo com parecer do deputado Cacá Leão (PP-BA), relator das Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o próximo ano. O Fundo foi criado para compensar o fim das doações empresariais nas campanhas eleitorais.

 

Apesar do descontentamento da opinião pública em relação à questão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), diz que o aumento de R$ 2 bilhões “não é exagero”, apesar dos recursos para isso saírem do Orçamento da União, impactando gastos que seriam destinados à saúde, educação e segurança.

 

Maia participou nesta sexta-feira de um almoço com parlamentares do PRB na Câmara e, ao sair do encontro, comentou o assunto com jornalistas. “Não acho que é exagero. Acho que uma eleição municipal, com cinco mil municípios com milhares de candidatos a vereador, é uma campanha que vai requerer um custo um pouco maior que a eleição do regime geral”. Segundo ele, o valor é razoável, desconsiderando a situação econômica. “Olha, está se gastando o mínimo possível em relação ao que se gastava”, completou.

 

Para justificar sua posição em relação ao assunto, o presidente da Câmara defendeu o financiamento privado, proibido desde 2015. “O ideal é o financiamento privado, limitado, sem poder concentrar uma empresa num candidato apenas, com algumas limitações para que a relação entre o deputado e o financiador não seja de dependência. Não há uma decisão ainda [sobre uma possível volta do financiamento privado], e o que sobra é o financiamento público", disse Maia.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix