Campo Grande/MS, Domingo, 13 de Junho de 2021 |
27˚
(67) 3042-4141
Política
Quinta-Feira, 06 de Maio de 2021, 17h:24
Tamanho do texto A - A+

Simone Tebet se indigna com a conversa sobre alterar a bula da cloroquina

Senadora diz que depoimento de Mandetta acende sinal amarelo

Laryssa Maier
Capital News

Divulgação/Assessoria

Simone

 

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) foi a Brasília para participar das audiências desta semana presencialmente. Para Simone, além de Mandetta contar os fatos cronologicamente, como a primeira autoridade à frete do Ministério da Saúde a enfrentar a pandemia, ele deixou claro que tentou alertar sobre a transmissão comunitária, a importância do uso de máscaras, do isolamento social, de campanhas informativas e do planejamento para aquisição de equipamentos e remédios. “Ele, como testemunha, é importante confirmar isso para a CPI”, disse.

 

Líder da bancada feminina, a senadora Simone questionou o ex-ministro se houve alertas ao governo federal sobre a possibilidade de colapso do sistema de saúde. Mandetta respondeu afirmativamente. “Essa segunda onda que nós estamos passando é o ápice desse tipo de decisão tóxica, equivocada. Se tivéssemos tido a oportunidade de dar exemplo, de fazer uma coisa que se chama educação em saúde, promoção em saúde, que é feita não só pelo Ministro, não só pelo Presidente, mas é feita pelos ídolos, pelos atletas... Era assim que nós fazíamos, por exemplo, com a vacina do Zé Gotinha. Eu acredito que teríamos tido uma onda muito menor. E, principalmente, se tivesse equipe técnica, teria adquirido a vacina, essa segunda onda não teria acontecido, teria sido suprimida por vacinas, porque vacinou acima de 60 anos, duas doses, a gente já quebraria o colapso do sistema hospitalar”, respondeu Mandetta.

 

Simone disse que ficou indignada com a informação sobre um documento que teria sido elaborado por um servidor público para alterar a bula da cloroquina. “Burlar, alterar bula de medicamento, pelo Código Penal, é crime. Pena de 10 a 15 anos. Falsidade ideológica. Não se abriu uma sindicância, um processo administrativo para demitir uma pessoa que comete um crime dessa grandeza diante de uma pandemia como essa. Fica aqui a minha maior perplexidade diante desse fato. O que demonstra que, de alguma forma, houve erros e esses erros precisam ser punidos, seja de quem for. Repito: do Prefeito, do Governador, da autoridade federal porque nós estamos falando de crime contra a humanidade”, disse.

 

Simone voltou a defender a busca da verdade. “Não caiu do céu essa pandemia no Brasil e ela não está descontrolada por outra razão a não ser por falta de planejamento estratégico, vontade política, por falta de ação, seja de quem for. Aqui, ninguém está preocupado com o processo eleitoral de 2022. Nós não seríamos dignos do mandato que temos, diante de tanta dor, de tanto calvário, com o processo eleitoral de 2022”, disse lamentando as mais de 400 mil vidas perdidas.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix