Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 01 de Abril de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Rural
Sexta-Feira, 13 de Março de 2020, 14h:58
Tamanho do texto A - A+

Altas temperaturas contribuem para focos de queimadas no Pantanal, afirma Embrapa

O fato chamou a atenção dos produtores rurais, bem como pesquisadores do órgão.

Flávio Veras
Capital News

 

Chico Ribeiro/Portal MS /Arquivo

Estado reforça combate às queimadas no Pantanal

 

Os municípios de Corumbá e Ladário, localizados no Pantanal de Mato Grosso do Sul, amanheceram cobertos por uma névoa de fumaça durante os últimos dias. O fato chamou a atenção dos produtores rurais e da população da região, bem como pesquisadores da Embrapa Pantanal.

 

A pesquisadora do órgão, Balbina Soriano, explica que estes municípios estão localizados na sub-região pantaneira do Paraguai, onde justamente estão registrados o maior número de focos de calor, segundo os dados Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. A média histórica para o mês de março é de 73 focos. Até o dia 12 deste mês já foram registrados 267, sendo 51% localizado na sub-região do Paraguai.

 

“A proximidade que esses incêndios estão da cidade de Corumbá e Ladário, associados aos baixos índices de umidade relativa do ar e as altas temperaturas, fazem com que os efeitos sejam ainda mais sentidos pela população”, explicou.

 

Segundo ela, o período chuvoso na região compreende os meses de novembro a março, registrando uma média histórica de 810 mm para o período. De novembro de 2019 até 12 de março de 2020 choveu 350 mm, o que corresponde a 43% do esperado para a média histórica.

 

“Diante deste cenário vem ocorrendo um aumento nos focos de calor. De janeiro até 12 de março, foram registrados 686 focos de calor, 98 % acima da média histórica, que é de 347 focos de calor para este período”, detalhou.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix