Campo Grande/MS, Quarta-Feira, 03 de Junho de 2020 |
27˚
(67) 3042-4141
Rural
Sexta-Feira, 22 de Maio de 2020, 13h:43
Tamanho do texto A - A+

Aproveitando áreas degradadas, MS pode dobrar produção de grãos em uma década

Se o clima cooperar na safra atual, Estado deve colher 24 milhões de toneladas de soja e milho

Hélder Rafael
Capital News

Divulgação/Assessoria

Safra de milho é semeada e colheita de soja avança em MS

 

A conversão de pastagens degradadas em áreas agricultáveis pode levar Mato Grosso do Sul a dobrar a produção de grãos em apenas uma década. Se o clima cooperar, o Estado deverá colher 24 milhões de toneladas de soja e milho na safra corrente, o dobro do que foi colhido em 2010.

 

O resultado se deve, principalmente, à aplicação de tecnologias na conversão de 3,1 milhões de hectares de pasto degradado em áreas próprias para a agricultura. Só no ano passado, Mato Grosso do Sul registrou aumento de 250 mil hectares de área cultivada com soja. Há ainda a perspectiva de alteração de uso do solo para aproveitamento em culturas de outros 240 mil hectares.

 

As informações sobre a evolução do agronegócio em Mato Grosso dos Sul foram destaque na apresentação do superintendente da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Rogério Beretta, em aula da pós-graduação do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF). 

 

Rogério Beretta creditou a evolução do setor às instituições de pesquisa do Estado. Em solo sul-mato-grossense estão três unidades da Embrapa e duas fundações de pesquisa mantidas pelos produtores rurais. 

 

“Para que a agricultura ocupe uma área já desgastada é preciso que a pesquisa aponte a variedade que mais se adapta e a melhor época de plantio. É necessário reduzir riscos, pois transformar uma área de pasto em lavoura requer investimento pesado e os empresários rurais precisam ter segurança. Por isso, a pesquisa tem que vir antes, e ela tem sido fundamental nos resultados obtidos pelo setor no Estado”, avaliou.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix