Campo Grande/MS, Terça-Feira, 17 de Setembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Rural
Terça-Feira, 04 de Junho de 2019, 09h:37
Tamanho do texto A - A+

Vaca Louca: Suspensa exportação de carne bovina para China

Ministério suspendeu temporariamente a emissão de certificados sanitários

Elaine Silva
Capital News

A

Deurico/Capital News

Foto ilustrativa de vaca, gado, boi, pecuária, vacinação de gado

Exportação foi suspensa apenas na China

pós um registro de um caso de Encefalopatia Espongiforme Bovina, conhecido como mal da Vaca Louca, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil suspendeu a exportação de carne bovina para a China. Conforme a nota do ministério "No caso da China, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil suspendeu temporariamente a emissão de certificados sanitários até que a autoridade chinesa conclua sua avaliação das informações já transmitidas sobre o episódio, cumprindo-se, assim, o disposto no protocolo bilateral assinado em 2015", informou em nota.

 

A doença da vaca louca foi registrada na última sexta-feira (31) no Estado de Mato Grosso e segundo a avaliação do ministério: “Examinada a notificação da ocorrência pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), este órgão determinou ontem (3) o encerramento do caso sem alteração do status sanitário brasileiro, que segue como risco insignificante para a doença”. O caso foi registrado em uma vaca de corte de 17 anos. O animal foi abatido e teve o material de risco de contaminação retirado e incinerado no próprio matadouro. Os produtos derivados da vaca foram identificados e apreendidos preventivamente.

 

As exportações de carne bovina para os demais países não foram afetadas. O acordo de suspensão temporária é específico com a China.

 

Confira a nota do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasi: 

 

“1 - Examinada a notificação da ocorrência pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), este órgão determinou hoje [ontem] (3) o encerramento do caso sem alteração do status sanitário brasileiro, que segue como risco insignificante para a doença.

 

2 - A OIE informou ainda que não haverá relatórios suplementares sobre o caso.

 

3 - No caso da China, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil suspendeu temporariamente a emissão de certificados sanitários até que a autoridade chinesa conclua sua avaliação das informações já transmitidas sobre o episódio, cumprindo-se, assim, o disposto no protocolo bilateral assinado em 2015.”

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix