Campo Grande/MS, Sexta-Feira, 19 de Outubro de 2018 | 14:00
27˚
(67) 3042-4141
Opinião
Terça-Feira, 09 de Outubro de 2018, 12h:32
Tamanho do texto A - A+

Guerras políticas: uma agressão à economia psíquica

Por Marcelo Niel

Artigo de responsabilidade do autor
Envie seu artigo para opiniao@capitalnews.com.br

Há alguns anos podemos observar o quanto as discussões políticas têm afetado a saúde psíquica das pessoas, seja pelo excesso de esforço mental que tais discussões acarretam ou pelos frequentes rompimentos em relacionamentos relevantes, em decorrência de divergências político-partidárias. Brigas, desenlaces, ofensas e até situações envolvendo agressões físicas têm sido assunto frequente em consultórios psiquiátricos e psicológicos.

Divulgação

Marcelo Niel - Artigo

Marcelo Niel

 

A primeira razão que pode explicar esse fato é pensar que somos imaturos politicamente enquanto povo de um país jovem; povo esse que atravessou décadas estrategicamente sendo alienado, com livros de História insipientes, que mais reproduziam “contos” de uma brasilidade inventada de completa harmonia e uma ausência de conflitos.

 Os anos se passaram e o povo cresceu - um pouquinho de nada - em sua consciência política e o mundo contemporâneo nos presenteou com a internet e suas redes sociais; o equivalente a dar a um garoto ou garota de onze anos a liberdade de beber, fumar, dirigir e fazer sexo, tudo ao mesmo tempo. O resultado não poderia ser menos catastrófico: o adolescente político se sente adulto e capaz, acha-se entendedor da matéria, mesmo tendo apenas as suas primeiras peripécias em experiências tão pouco profundas. Pré-púberes políticos, movimentam-se pelas redes sociais em típicos agrupamentos juvenis, reproduzindo conceitos e opiniões, ofendendo divergentes como adversários dos jogos da aula de Educação Física. Doutos escolares.

Não digo isso de todos os que ousam a discutir a matéria política; há sim aqueles que, mesmo jovens, são capazes de ir além do frouxo conhecimento político cujas fontes são “memes” e enunciados de redes sociais.

Independente do “time” ao qual pertença, uma vez que, ao menos por enquanto, vivemos num país democrático cuja liberdade de opinião e expressão ainda estão asseguradas, deveria ser possível “discutir sem brigar”, sem ofender, sem invadir o espaço - ainda que cibernético - do outro com cuidado. Invadir posts na timeline alheia e entrar na casa do outro sem pedir licença, é abrir a geladeira na casa da visita sem permissão, é usar a privada e não dar a descarga.

E tudo isso ocasiona um desequilíbrio enorme em nossa economia psíquica. Todo esse aporte de ofensas, notícias falsas sendo replicadas instantaneamente e rompimentos entre pessoas, são importantes geradores de ansiedade e descontentamento.

E qual a solução para esse problema? Não há como propor que as pessoas se calem, deixando de emitir sua opinião. Enquanto não amadurecemos, o ideal é nos valermos de artifícios de controle - e não repressão - social. Eu, por exemplo, costumo apagar comentários ofensivos em minhas redes sociais, ao invés de discutir com a pessoa ou deixar que as pessoas fiquem discutindo. Se a pessoa não for capaz de manter um diálogo saudável com diferenças e divergências, eu a bloqueio. Quando em discussões presenciais, costumo evitar o embate quando percebo que aquele interlocutor não é capaz de respeitar o meu ponto de vista e saber ouvir, mesmo que discorde. Parto da premissa que eu não sou capaz de mudar a opinião do outro e se este outro não está disposto a dialogar, não desejo perder tempo útil de vida com discussões sem rumo.

Para mim, há apenas um sério limite cuja transposição considero inaceitável: não aceito racismo, misoginia, homofobia, transfobia e muito menos apologia à violência, à ditadura e à tortura, porque entendo que expressar esse tipo de opinião não se trata apenas de liberdade de expressão; para mim são comportamentos criminosos.

 

 

*Marcelo Niel

Médico psiquiatra e psicoterapeuta junguiano, Doutor em Ciëncias pela UNIFESP, supervisor clinico-institucional em Psiquiatria Clínica e Psicoterapia.

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix