Campo Grande/MS, Domingo, 22 de Setembro de 2019 |
27˚
(67) 3042-4141
Saúde
Sexta-Feira, 12 de Julho de 2019, 17h:58
Tamanho do texto A - A+

Governo, Prefeitura e Santa Casa assinam aditivo que garante R$ 2,8 milhões

Repasse é para retomar o funcionamento da Unidade do Trauma

Flavia Andrade
Capital News

Luciana Brazil/SES

Governo, Prefeitura e Santa Casa assinam aditivo que garante R$ 2,8 milhões

Repasse é para retomar o funcionamento da Unidade do Trauma

 

Nesta sexta-feira (12), o secretário municipal de Saúde , José Mauro Filho, o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, e o presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, assinaram o documento descritivo, do termo aditivo, que prevê repasse de aproximadamente R$ 2,8 milhões para o funcionamento da Unidade do Trauma. O documento ainda será encaminhado para análise de Procuradoria Geral do Município (PGM) para que posteriormente possa ser efetivamente assinado e publicado.

 

O contrato com a Santa Casa é de R$21 milhões por mês, sendo R$14 milhões do Governo Federal, R$2,1 milhões do Governo Estadual e R$4,9 milhões do município.Com o termo aditivo, está prevista a ampliação de atendimento no setor ambulatorial e de consultas em especialidades, sobretudo a ortopedia.

 

Conforme o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende,“Com a assinatura deste termo, chega ao fim o imbróglio do Hospital do Trauma no que diz respeito ao Governo do Estado. Estamos cumprindo a promessa e logo que o Ministério da Saúde, por meio de uma portaria, definiu o repasse mensal de R$ 1,1 milhão, nós imediatamente vamos cumprir com a nossa parte, como havíamos prometido e vamos repassar R$ 1,750 milhão”, disse o secretário.

 

Para o secretário José Mauro Filho, “estão previstas mais 160 cirurgias de pequeno e médio porte e 20 cirurgias eletivas ortopédicas. Existe uma necessidade muito grande por parte do município pelas cirurgias eletivas justamente para que a gente possa diminuir a demanda de pacientes ambulatoriais da nossa rede. Isso não só em Campo Grande, mas em todo Estado. Além disso existe uma demanda reprimida também criada judicialização.“Entendemos que pelo perfil do hospital será possível ampliar os serviços futuramente. Porém, neste momento sabemos que o termo aditivo irá somente complementar o que é necessário para colocar a unidade em pleno funcionamento que é uma luta de mais de 20 anos”, aponta.

 

Além dos secretários estadual e municipal e do presidente da Santa Casa, a promotora de Justiça  Filomena Fluminhan também esteve presente na assinatura do documento.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Clique aqui para "COMENTAR ESTA NOTÍCIA" e seja o primeiro a comentar!
Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

LEIA MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO

Trinix